BASTIDORES: Para TV, Alckmin e Doria gravam vídeos separados

Governador e prefeito também escolheram marqueteiros diferentes para o horário eleitoral na TV do PSDB paulista, que será exibido em outubro

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

28 Setembro 2017 | 05h00

O governador Geraldo Alckmin e o prefeito João Doria gravaram vídeos separados e escolheram marqueteiros diferentes para o horário eleitoral na TV do PSDB paulista, que será exibido em outubro. Marqueteiro da bem-sucedida campanha de Doria à Prefeitura em 2016, o publicitário Lula Guimarães assina agora as inserções de Alckmin. O contrato é pontual, mas ele é visto por aliados e auxiliares do governador como um dos cotados para comandar o marketing de uma eventual campanha presidencial do governador. 

Guimarães também atua como marqueteiro do PMDB nacional e é um dos responsáveis pelo processo de “repaginação” da sigla, que mudará de nome para MDB e terá um novo logotipo. 

No caso de Alckmin, Lula Guimarães adotou um tom nacional na propaganda partidária. Já Doria recorreu ao marqueteiro Nelson Biondi, um veterano de campanhas tucanas, para produzir seus vídeos. O prefeito vai exaltar em suas falas ações que considera “vitrines” de seu governo até agora: o Corujão da Saúde, projeto para reduzir a fila de exames na rede municipal, a distribuição de remédios e a ampliação da oferta de vagas nas creches.

A divisão dos comerciais favoreceu Alckmin. O governador vai dividir com Doria o tempo das inserções na capital e Grande São Paulo, mas usará sozinho o tempo dos comerciais exibidos no interior. Questionado sobre o motivo dos dois não terem gravado juntos, o presidente do PSDB-SP, deputado estadual Pedro Tobias, desconversou. “Tem de perguntar isso para eles.”

Segundo o dirigente, foi o partido que contratou Lula Guimarães, e os comerciais de Alckmin, que custarão cerca de R$ 90 mil, serão pagos com recursos do Fundo Partidário.

“Não sei ainda quem pagou os comerciais do Doria. Ele gravou com uma agência diferente da nossa”, disse Tobias. Aliados de Doria dizem, porém, que o PSDB também pagará os custos dos comerciais do prefeito. 

“O PSDB vai pagar os dois. É normal que isso ocorra. Quando José Serra era o prefeito e Geraldo Alckmin o governador, foi assim”, disse César Gontijo, vice-presidente do PSDB paulista. 

Em 2013, o senador Aécio Neves (MG), então pré-candidato à Presidência pelo PSDB, apareceu em alguns comerciais do partido em São Paulo. Em setembro daquele ano, o partido já havia definido seu nome para a disputa e não havia risco de prévias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.