BASTIDORES: Palácio do Planalto avalia que Eliseu Padilha é o novo alvo

Auxiliares do presidente Michel Temer não escondem a preocupação com o conteúdo das conversas gravadas pelo ex-ministro da Cultura Marcelo Calero

Vera Rosa, O Estado de S.Paulo

29 de novembro de 2016 | 05h00

O governo avalia que o próximo alvo da crise será o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. Nos bastidores do Palácio do Planalto, auxiliares do presidente Michel Temer não escondem a preocupação com o conteúdo das conversas gravadas pelo ex-ministro da Cultura Marcelo Calero. Embora Temer tenha dito querer que esses áudios “venham à luz”, na prática existe o receio de que Padilha e o secretário de Assuntos Jurídicos da Casa Civil, Gustavo Rocha, tenham feito alguma afirmação que possa ser interpretada como “advocacia administrativa” em favor do ex-ministro Geddel Vieira Lima.

A queda de Geddel está longe de estancar a crise e a apreensão tomou conta do Planalto. A avaliação é a de que o governo aprovará nesta terça-feira, 29, no Senado, a proposta de emenda à Constituição (PEC) que limita os gastos públicos, mas pode ter dificuldades mais adiante. Com um cenário de incertezas, aliados do governo já veem uma “conspiração” para derrubar Temer e muitos receberam a missão de investigar se há ligação de Calero com a esquerda ou até com o PSDB do senador Aécio Neves.

No depoimento à Polícia Federal, Calero citou Padilha 11 vezes e disse que ele foi o autor da “tese” segundo a qual a Advocacia-Geral da União buscaria uma saída para resolver a queda de braço entre Geddel e o Iphan. O ex-ministro da Cultura mencionou ainda Gustavo Rocha como o autor de uma ligação “determinante” para sua decisão de deixar o governo, pois, de acordo com suas palavras, “demonstrava a insistência do presidente” em fazer com que ele interferisse indevidamente no processo.

No Planalto, o comentário é que atingir Padilha equivale a um tiro de morte na direção de Temer. Chefe da Casa Civil, o ministro é considerado o “capitão do time” e por seu gabinete passam assuntos que vão da votação da PEC do Teto à reforma da Previdência. O lema de Padilha é “meia vitória é melhor do que uma derrota total”. Neste caso, porém, não é possível prever nem sequer o dia seguinte da batalha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.