Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Bastidores: Heleno ganhou sobrevida ao virar porta-voz e escudo de Bolsonaro

Ministro do GSI diz que apreensão de celular de presidente pode ter ‘consequências imprevisíveis’

Andreza Matais, O Estado de S.Paulo

22 de maio de 2020 | 18h34

BRASÍLIA – Criticado até pelos filhos do presidente Jair Bolsonaro por conta da sua atuação no Gabinete de Segurança Institucional (GSI), o general reformado Augusto Heleno Ribeiro ganhou sobrevida no cargo depois de se colocar, na prática, como o porta-voz e um escudo para seu chefe.

Nos momentos de maiores polêmicas do governo, ele tem adotado um discurso raivoso em suas redes sociais. Assim conquistou o apoio dos bolsonaristas e saiu do foco. As atitudes dele, contudo, não são sintonizadas nas Forças Armadas. Nos bastidores, integrantes do Alto Comando reclamam que os ministros da ala militar do Planalto se colocam como representantes da totalidade das Forças, mas para boa parte deles essa sintonia não é automática.

Tanto que quando o presidente e seus ministros entram em polêmicas envolvendo questões antidemocráticas, como o fechamento de outros poderes, militares da ativa dizem, nos bastidores ou, até mesmo, em nota oficial, que as forças não se envolvem em política. Heleno, por sua vez, não economiza em discursos que lembram o passado de levantes e agitações das Forças Armadas. Na polêmica da vez, ele destacou que a mensagem em que criticava o pedido do ministro do Supremo Tribunal Federal, Celso de Mello, à Procuradoria Geral da República de busca e apreensão do celular de Bolsonaro para uma perícia era uma “Nota à Nação Brasileira”, como escreviam velhos comandantes militares.

Ao aparecer ao lado do então candidato à Presidência Jair Bolsonaro, em 2018, Heleno ajudou a vencer a resistência ao nome do ex-capitão nas Forças Armadas, uma relação que sempre foi estremecida especialmente entre o deputado federal e os oficiais. Na disputa eleitoral, os generais refratários a Bolsonaro avaliaram que Heleno poderia segurar possíveis rompantes do presidente. Mas a avaliação é a de que o ministro foi “engolido” pela guerra palaciana ao se associar à militância. A sugestão é que ele deveria se preservar em nome da biografia.

O general Augusto tem um passado controverso no Exército e nos governos que participou. Em 1977, capitão recém-promovido, ele era ajudante de ordens do então ministro do Exército, Sylvio Frota. Quando o ministro foi demitido depois de tentar se impor como sucessor de Ernesto Geisel, Heleno estava no grupo que tentou um golpe interno contra o presidente. O Diário Oficial da União, de 18 de outubro daquele ano, registrou que o capitão e outros mais de cem oficiais do gabinete de Frota foram exonerados e retirados de Brasília.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.