BASTIDORES: Harmonia entre Poderes e operações ostensivas

PGR indica que isso não irá evitar medidas consideradas sensíveis pelo Planalto

Beatriz Bulla, O Estado de S.Paulo

17 de outubro de 2017 | 05h00

A primeira medida ostensiva de investigação solicitada pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, aumenta a tensão no Palácio do Planalto ao mirar em um aliado do presidente Michel Temer.

Desde que Raquel assumiu o cargo, há cerca de um mês, o Planalto comemorava que a relação com a Procuradoria-Geral da República (PGR) iria se tornar menos belicosa do que os últimos dias do mandato de Rodrigo Janot. Mas o sinal dado por Raquel com as buscas em endereços de Lúcio Vieira Lima é de que não pretende diminuir o ritmo das investigações e operações.

Ao atingir o deputado do PMDB, a operação solicitada por Raquel alcança por consequência o ex-ministro Geddel Vieira Lima, irmão de Lúcio. Quando foi preso em junho pela primeira vez, Geddel deu sinais a procuradores de que poderia colaborar com as investigações. Agora, após a descoberta de um apartamento com o equivalente a R$ 51 milhões ligados pela Polícia Federal a Geddel, a situação do ex-ministro é considerada por investigadores ainda mais delicada. Ele está há quase 40 dias preso.

O receio no Planalto é de que ex-ministro negocie uma delação premiada na qual possa implicar Temer e o núcleo político do PMDB – já alvo de denúncia elaborada durante a gestão Janot. 

A investigação sobre o ‘bunker’ dos R$ 51 milhões ficou emperrada no último mês, quando a Justiça Federal encaminhou o caso ao Supremo Tribunal Federal por causa da menção ao nome de Lúcio que, como deputado federal, possui prerrogativa de foro. Na semana passada, Raquel defendeu o desmembramento das investigações – o que já foi visto como um sinal de que o caso deveria voltar a andar – e pediu as diligências, cumpridas nesta segunda-feira, 16.

Com as medidas, a PGR indica que pode prezar pela harmonia entre os Poderes, como tem dito, mas que isso não irá evitar medidas consideradas sensíveis pelo Planalto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.