Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Bastidores: Gota d'água para críticas de Maia a Temer foi assédio do PMDB a deputado de PE

Irritado com a postura do PMDB, o presidente da Câmara disparou críticas e convidou deputados do PSB para um encontro sobre o assunto

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

21 Setembro 2017 | 08h46

BRASÍLIA - A gota d'água para as duras críticas disparadas na noite dessa quarta-feira, 20, pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), contra o presidente Michel Temer e o PMDB foi o assédio de integrantes da cúpula peemedebista a um deputado do PSB de Pernambuco que negocia migração para o DEM, apurou o Estado/Broadcast com a cúpula dos democratas.

De acordo com dois influentes parlamentares do DEM, o presidente da Câmara se irritou profundamente ao tomar conhecimento no fim da tarde desta quarta-feira, 20, que integrantes da direção do PMDB teriam convidado o deputado Marinaldo Rosendo (PSB-PE) para se filiar ao partido, mesmo sabendo que o político pernambucano vinha negociando migração para o DEM. 

A irritação de Maia e integrantes da cúpula do DEM com o PMDB vem desde julho, quando Temer foi à casa da líder do PSB na Câmara, Tereza Cristina (MS), e convidou pessebistas dissidentes para se filiarem ao PMDB. O mal-estar aumentou no início de setembro, após o PMDB filiar o senador Fernando Bezerra (PE), que também vinha negociando com o DEM. 

Irritado com a postura do PMDB, o presidente da Câmara disparou críticas e convidou deputados do PSB para um encontro nesta quinta-feira, 21, para tratar do assunto. “Quando a gente faz um acordo, tem que cumprir a palavra. A coisa mais importante da política é a palavra. Eu já avisei o presidente, isso causou muito desconforto dentro da bancada”, disse Maia em entrevista à imprensa. 

Ele se referia ao episódio, durante a tramitação da primeira denúncia contra Temer na Câmara, quando o peemedebista teve um encontro Tereza e integrantes da cúpula do PSB. Na época, segundo Maia, Temer foi a um jantar em sua casa negar que o PMDB estivesse fazendo uma ofensiva no PSB, mas a filiação do senador Fernando Bezerra teria mostrado que isso não era verdade.

O deputado destacou ainda que o fato de os ministros Moreira Franco (Secretaria-Geral) e Eliseu Padilha (Casa Civil) terem participado do ato de filiação de  Bezerra mostra que há uma “digital” do governo na iniciativa. “Isso é muito grave. A gente não pode ficar levando facada nas costas do PMDB, principalmente de ministros do palácio e do presidente do PMDB”, criticou. Mais cedo, em entrevista ao Estado/ Broadcast, Maia pediu que o Planalto seja mais "respeitoso” com ele durante a tramitação na Casa da segunda denúncia contra Temer. “Vou conduzir esse processo como conduzi o primeiro, apesar de muita intriga, muito fogo amigo na primeira (denúncia). Espero que, nesta segunda, o palácio seja mais respeitoso comigo", disse. / COLABORARAM TÂNIA MONTEIRO E ISADORA PERON

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.