Governo do Estado de SP/Divulgação
Governo do Estado de SP/Divulgação

Bastidores: Gestores de SP afirmam que saída de Mandetta não afeta combate à coronavírus

Entorno do governador João Doria avalia que não depende tanto da União, pois já recebeu verba federal e Supremo decidiu a favor dos Estados na questão do isolamento

Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2020 | 05h00

Embora as declarações oficias sejam de lamento com a demissão do ministro Luiz Henrique Mandetta, a avaliação dos gestores da saúde de São Paulo é de que a troca de ministro tem pouco a alterar ou atrapalhar a forma como a pandemia vem sendo combatida. Mesmo que o presidente Jair Bolsonaro mude os rumos do enfrentamento da doença, já há travas para ações que possam colocar em risco a saúde pública.

"O perigo é o vírus, não é mais Brasília", disse ao Estado uma das pessoas do primeiro escalão técnico do Centro de Contingência do Covid-19 de São Paulo. O entendimento é que os recursos financeiros da União que o Estado precisava para enfrentar a doença já foram transferidos, e a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que reafirmou, nesta quarta-feira, a autonomia para estados e municípios definirem as polícias de Saúde, já serve como barreira para eventuais ataques à política de isolamento social, pivô dos atritos entre Mandetta e o presidente Jair Bolsonaro e pilar da estratégia de enfrentamento do Covid-19 entre os paulistas.

A troca de nomes no ministério ocorreu enquanto o secretário da Saúde paulista, José Henrique Germann, fazia uma entrevista coletiva em que atualizava o número de mortes no Estado (853, mais 75 em reação à quarta-feira). Terminada a coletiva, questionado sobre a escolha do oncologista Nelson Teich, disse ao Estado: "Não o conheço". Na sequência, completou: "E olha que estou aqui (na Saúde) há 30 anos.".

Germann já havia dito que lamentava a saída de Mandetta e de sua equipe, destacando que o então secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira, "conhecia muito" o Sistema Único de Saúde (SUS). Isso facilitava o diálogo porque os gargalos eram identificados em conjunto e ambas as equipes tinham conhecimento das ferramentas para resolvê-los. As duas equipes tinham uma reunião mensal. "Estrategicamente, não é interessante" a troca, afirmou.

Agora, entretanto, com hospitais de campanha já viabilizados, a chegada de centenas de milhares de testes para diagnóstico da doença e a garantia jurídica de que o Estado define se poderá aumentar ou não a quarentena, haveria pouco espaço para manobra. O enfrentamento "já pegou embalo", segundo uma dessas pessoas.

O governador João Doria (PSDB), que desde o início da crise detectou na postura de Bolsonaro diante da doença mais uma oportunidade de se diferenciar do presidente, com quem troca farpas semanalmente, chegou a dizer na quarta-feira que a saída de Mandetta era "um desastre". Nesta quinta, ao ter a confirmação da troca, publicou em suas redes que a saída "é uma perda para o Brasil". Sobre Nelson Teich, disse esperar que "siga os procedimentos técnicos e atenda às recomendações da OMS".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.