Wilton Junior / Estadão
Wilton Junior / Estadão

Bastidores: Com exonerações e entrega de cargos, Witzel vive crise política

Governador do Rio desagrada a Assembleia Legislativa com troca de secretários

Caio Sartori, O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2020 | 14h08

RIO - Investigado por suspeitas de corrupção na Saúde e alvo de pedidos de impeachment na Assembleia Legislativa, o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), dobrou a aposta nas escolhas internas que tem feito no governo - e, com isso, irritou ainda mais os deputados estaduais. Ao exonerar os secretários de Casa Civil, André Moura, e de Fazenda, Luiz Cláudio Rodrigues de Carvalho, Witzel optou por ficar ao lado de Lucas Tristão, o poderoso secretário de Desenvolvimento Econômico, também ele envolvido no suposto esquema de irregularidades em contratos.

A exoneração de Moura, experiente político do PSC que já foi líder do governo Michel Temer na Câmara dos Deputados, foi a que mais desagradou a Alerj. Era ele o responsável pela articulação política de Witzel. Com a saída, o líder do governo na Casa, Márcio Pacheco (PSC), entregou a função na manhã desta sexta-feira, 29. O vice-líder, Léo Vieira (PSC), idem. 

A Alerj já dava sinais, nos bastidores, de que aceitaria a abertura de processo de impeachment contra o governador. Dois pedidos foram apresentados na quarta-feira, um dia após a operação da Polícia Federal que cumpriu mandados de busca e apreensão contra Witzel e sua mulher, Helena. Ao Estadão, o presidente da Assembleia, André Ceciliano (PT), disse naquele dia que o Legislativo “cumpriria seu papel”

Quantos às exonerações, a avaliação de interlocutores é que o governador optou claramente por um dos lados na “guerra” em curso no Palácio Guanabara. Moura e Luiz Cláudio - que tinham em mãos, respectivamente, o controle do orçamento e dos cofres do Estado - foram preteridos. O outro lado da disputa, representado por Lucas Tristão, saiu vencedor e deve acumular ainda mais poder. 

A lealdade de Witzel a Tristão, mesmo com o Ministério Público mostrando que o secretário tem papel central nas investigações sobre a corrupção na Saúde, causa estranheza em integrantes do outro grupo do governo. “Não sei quem é refém de quem”, disse um deles ao Estadão. O poder atribuído a Tristão faz com que, segundo esse interlocutor, ele se sinta à vontade para dar bronca em colegas, mandar nos outros secretários e impor “loucuras”. 

Tristão ajudou na coordenação da campanha de Witzel em 2018. Advogado, ele é próximo a Mário Peixoto, empresário preso neste mês no âmbito da operação Favorito, cujos desdobramentos ajudaram a deflagrar a operação Placebo, que atingiu o governador. Segundo o Ministério Público Federal, o escritório de advocacia de Tristão recebeu R$ 225 mil das empresas de Peixoto, o que seria um elo entre a suposta organização criminosa e o governo. 

O governador ainda não se manifestou sobre as exonerações. Quanto às investigações, Witzel nega envolvimento e acusa o presidente Jair Bolsonaro de perseguição política por meio da Polícia Federal. Ele afirma que provará sua inocência no processo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.