ROBERTO CASIMIRO/FOTOARENA
ROBERTO CASIMIRO/FOTOARENA

Bastidor: Doria e Eduardo Leite disputam holofotes no PSDB

Especulação de candidatura ao Planalto do gaúcho gera incômodo no governador de SP

Vera Rosa, O Estado de S.Paulo

07 de dezembro de 2019 | 05h30

Convocado para jogar os holofotes sobre um partido que perdeu a identidade e parece caminhar para uma guinada à direita, o Congresso do PSDB vai escancarar hoje um novo racha, desta vez por causa da disputa de 2022. Depois de atropelar o tucano Geraldo Alckmin na campanha presidencial do ano passado para incentivar, nos bastidores, o voto “Bolsodoria”, o governador de São Paulo, João Doria, prepara sua própria candidatura à sucessão de Jair Bolsonaro. Não imaginava, porém, que enfrentaria um concorrente interno: Eduardo Leite, seu colega do Rio Grande do Sul.

O governador gaúcho foi elogiado como exemplo de “renovação política”, nesta temporada, por ninguém menos do que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Para completar, o presidente do PSDB, Bruno Araújo, também dirigiu afagos públicos a Leite e, em entrevista ao jornal Valor, disse que Doria não era a única alternativa do partido para 2022. O governador paulista ficou furioso. Pegou o telefone e passou uma descompostura em Araújo. É nesse clima que se desenrola hoje o Congresso do PSDB.

Leite já avisou que não tentará a reeleição e praticamente lançou sua candidatura ao Planalto, enfrentando Doria. Mas os problemas não param aí. Se o deputado Aécio Neves (MG) for ao encontro tucano, haverá novo constrangimento. Doria fez de tudo para expulsar Aécio do partido. Acusado de receber propina do empresário Joesley Batista, sócio da J&F, e de obstruir a Justiça em inquéritos da Operação Lava Jato, Aécio conseguiu sobreviver, mas não fala com Doria. Seus aliados da bancada mineira planejam um desagravo e prometem vaiar o paulista na reunião de hoje.

E assim vai indo o PSDB, que, após mergulhar na geleia geral da política, quer aparecer agora com cara de oposição a Bolsonaro e fazer prévia para escolher o próximo candidato ao Palácio do Planalto. Resta saber quantas casas conseguirá avançar nesse jogo, se não ficar de novo em cima do muro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.