Wilson Pedrosa/AE - 01.12.2011
Wilson Pedrosa/AE - 01.12.2011

Base rejeita mais uma tentativa de convocar Pimentel na Câmara

Aliados se mobilizaram para barrar ida do ministro do Desenvolvimento, alvo de denúncias de tráfico de influência de sua consultoria; para Dilma, explicações já foram dadas

Eduardo Bresciani, do estadão.com.br

14 de dezembro de 2011 | 12h25

A base aliada se mobilizou novamente na manhã desta quarta-feira, 14, para impedir a convocação do ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel. A tentativa da oposição foi de trazer o ministro na comissão de Relações Exteriores da Câmara para falar sobre resolução que trata de tarifas do Mercosul. Diante das denúncias sobre a atividade de consultor de Pimentel, porém, a base não aceitou trazer o ministro.

 

"Devemos ter cuidado com a vulgarização da desestabilização de homens públicos que se dedicam ao país", justificou o deputado Henrique Fontana (PT-RS) ao encaminhar a orientação da base de rejeitar o requerimento.

 

Autor do pedido, o deputado Stepan Nercessian (PPS-RJ) criticou a postura dos governistas e lembrou que outros ministros blindados, como Antonio Palocci, acabaram deixando o governo. "Não foi impedindo a convocação de ministros que se garantiu a permanência deles. Todos caíram."

 

O deputado Antonio Carlos Mendes Thame (PSDB-SP) destacou que rejeitar a convocação de Pimentel para falar de um assunto sobre sua pasta o fragiliza. "Se toda vez que um ministro estiver sob suspeita não puder vir nós criamos uma situação inacreditável. Se o ministro não pode vir para falar de nada ele fica reconhecidamente como um pato manco."

 

A oposição também tentou novamente levar o ministro à Comissão de Fiscalização e Controle. Lá, no entanto, a base impediu a colocada do requerimento na pauta sob o argumento que um do mesmo teor já foi rejeitado na semana passada.

 

Pimentel tem sido cobrado nas últimas semanas a dar explicações sobre suas atividades de consultor durante os anos de 2009 e 2010. Empresas clientes dele fecharam contratos com a prefeitura de Belo Horizonte, que foi comandada por Pimentel até 2008. O ministro nega qualquer ilegalidade. A presidente Dilma Rousseff declarou nessa terça-feira, 13, achar "estranha" a vontade da oposição de convocar o ministro, já que, para ela, a atividade como consultor é assunto "da vida pessoal passada dele". "Se ele achar que deve ir, ele pode ir. Se achar que não deve ir, ele não vai", afirmou.

 

Tudo o que sabemos sobre:
pimenteldilmaministro desenvolvimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.