Base governista mostrou certa rebeldia na votação da CLT

Ao contrário do que o governo previa, o PMDB ficou maisrebelde nos últimos dias. Na votação anulada das mudanças na CLT,quarta-feira, 50 deputados do partido votaram contra o projeto, mas 28manifestaram-se favoravelmente às alterações propostas. Desta vez, 57peemedebistas rejeitaram o projeto do governo e apenas 25 deram seuvoto sim.Ao chegar ao Congresso, o líder do PFL, Inocêncio Oliveira (PE),garantiu que convencera os 7 deputados dissidentes a mudar o voto. Masnão foi isso que aconteceu. Virou o voto de Milton Barbosa (BA), masperdeu o de Neuton Lima (SP). Em vez de 7, o PFL exibiu ao governo e aoseu líder 9 infiéis. O PSDB, que na sessão de quarta passada tivera 5dissidentes, reduziu esse número para 4.O PT, desta vez, foi 100% contrário ao projeto do governo, com todosos seus 59 votos não. Na sessão anterior, a deputada Esther Grossi (RS)faltou. No PL os dissidentes teimam em contrariar seus líderes. Pormais que os deputados Waldemar Costa Neto (SP) e Bispo Rodrigues (PL)façam pregações contra o governo, o partido continua dividido. Nasessão de ontem, foram 10 votos contra e 9 a favor do projeto. Navotação anterior, houve empate: 11 a 11.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.