Base do governo prepara propostas para aumentar receitas

Intenção das bancadas de reduzir o déficit da peça orçamentária apresentada na segunda-feira, 31, pelo Palácio do Planalto

Daniel Carvalho, O Estado de S. Paulo

01 de setembro de 2015 | 19h07

BRASÍLIA - Partidos da base do governo vão elaborar propostas para aumentar as receitas do governo na intenção de reduzir o déficit da peça orçamentária apresentada na segunda-feira, 31, pelo Palácio do Planalto. A maior parte das bancadas deve se reunir nesta quarta-feira, 2.

Na avaliação do PT, cujos deputados reuniram-se nesta terça-feira, 1º, com o ministro Nelson Barbosa (Planejamento), é impossível que o partido corte gastos sociais para equilibrar as contas do governo. O partido deve então intensificar a defesa da repatriação de ativos. Na conta dos petistas, a medida garantiria, "na pior expectativa", R$ 35 bilhões, valor superior ao déficit estimado pelo governo em R$ 30,5 bilhões.

Os deputados do Pros, que também estiveram com Barbosa, voltam a se reunir nesta quarta-feira. A bancada do partido deve defender a taxação do lucro de bancos e pretende estudar que despesas discricionárias ainda podem ser cortadas e que ministérios entendem que podem ser enxugados. PSD e PMDB se reúnem nesta quarta-feira.

Oposição. Diante da negativa do presidente do Congresso, Renan Calheiros (PMDB-AL), em devolver ao governo a proposta orçamentária, a oposição aposta agora na solicitação de um aditamento, indicando onde os cortes poderiam ser feitos. "O Congresso Nacional não vai fazer estes cortes", disse o líder da Minoria, Bruno Araújo (PSDB-PE).

Caso não obtenha sucesso no pedido de aditamento, a oposição ainda precisará buscar um consenso para unir as duas correntes, a que defende a indicação de cortes severos na máquina pública e a que acredita que os parlamentares devem votar contra o Orçamento, mesmo que isso signifique uma má sinalização para o mercado.

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma RousseffOrçamentoPlanalto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.