Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Base do governo esvazia comissão no Senado para proteger Geddel

Oposição queria aprovrar requerimento para que o ministro fosse à Comissão de Educação para explicar as denúncias feitas pelo ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero

Isabela Bonfim, O Estado de S.Paulo

22 de novembro de 2016 | 15h02

BRASÍLIA - A Comissão de Educação foi esvaziada por senadores da base do governo nesta terça-feira, 22, e não conseguiu quórum para aprovar requerimentos de convocação do ministro-chefe da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima. A oposição gostaria que Geddel explicasse as denúncias feitas pelo ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero.

Além da convocação de Geddel, outro requerimento também convida o ex-ministro Calero para que ele explique as denúncias que fez à imprensa também ao Senado Federal.

As comissões foram encerradas para que os senadores pudessem participar do debate temático sobre a PEC do Teto no plenário do Senado. Entretanto, a reunião da Comissão de Educação se iniciou às 11h47 e o debate em plenário apenas às 13h10. Ainda assim, não houve quórum para apreciar os requerimentos ao longo de toda a reunião.

Os mesmos requerimentos serão apresentados na quarta-feira, 23, à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), mas senadores de oposição acreditam que, novamente, a base do governo não deve dar quórum na sessão. Além dos requerimentos em desfavor de Geddel, constam na pauta outros projetos que não são de agrado do governo, como o fim do foro privilegiado e a legalização da vaquejada. 

O ministro da Cultura se demitiu na sexta-feira, 18. De acordo com Calero, o motivo foi  a pressão que sofreu do titular da Secretaria de Governo para liberar um empreendimento imobiliário de luxo em Salvador no qual Geddel tinha comprado um apartamento. Geddel nega as acusações, mas um processo para apurar o caso já foi aberto na Comissão de Ética da Presidência da República. 

Também nesta terça, líderes da base na Câmara anunciaram que preparam um manifesto em apoio ao ministro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.