Base aliada quer mudar texto da Previdência

O governo vai ter que enfrentar a resistência da base aliada ao texto do deputado José Pimentel (PT-CE) para a reforma da Previdência. Além do PL, o vice-líder do governo na Câmara, deputado Beto Albuquerque (PSB-RS), afirmou que vai defender a alteração do subteto estadual dos magistrados de 75% para 90% do salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal e o aumento da isenção das pensões de R$ 1.058 para R$ 2.400. "Eu vou defender a aprovação dessas alterações no plenário, mas se o governo não aceitar, tudo bem, eu desisto", anunciou o vice-líder. Ele reafirmou que há uma margem muito pequena de negociação, já que os servidores do Judiciário partiram para o enfrentamento, inviabilizando o diálogo. O ministro da Casa Civil, José Dirceu, reiterou hoje, no café da manhã com os líderes da base aliada na residência oficial do presidente da Câmara, João Paulo Cunha, que o governo não vai aceitar novas alterações na reforma da Previdência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.