Base aliada derrota destaque do PFL na Câmara

A base aliada do governo passou no primeiro teste para votação de 15 destaques para tentar alterar o projeto de conversão do deputado Professor Luizinho (PT-SP) à medida provisória 107. O texto do deputado prevê o parcelamento da dívida das empresas com o INSS e a Receita Federal, além de aumentar a alíquota da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) para as empresas de serviços e a alíquota da Cofins para as instituições financeiras. A base aliada obteve 302 votos contra o Destaque em Votação em Separado do PFL, que pretendia retirar do texto o prazo máximo de 180 meses para o pagamento da dívida das empresas que faturam mais de R$ 1 milhão por ano. O PFL e o PSDB, que votaram a favor da emenda, tiveram 80 votos e 2 abstenções. Com isso, fica mantido o prazo máximo para que as empresas paguem suas dívidas, cujas parcelas terão que ser de pelo menos R$ 2 mil para cada dívida (INSS ou Receita Federal) ou 1,5% do faturamento mensal, a que for maior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.