Base aliada aguarda áudio para decidir futuro no governo

PSDB já sinaliza com a saída, mas demais partidos preferem esperar por novos desdobramentos

Isadora Peron e Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

18 de maio de 2017 | 14h29

Brasília - Apesar da sinalização do PSDB de que deve desembarcar do governo Michel Temer, a maioria dos partidos da base aliada tem adotado o tom de cautela ao comentar as denúncias envolvendo o peemedebista. Líderes e dirigentes esperam a divulgação do áudio da gravação em que Temer apareceria apoiando a compra de silêncio de delatores da Lava Jato para decidir se rompem ou não com o governo.

No caso do DEM, integrantes do partido dizem que a situação é mais “delicada” pelo fato de o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ser o primeiro na linha sucessória e assumir a Presidência, caso Temer seja afastado. Qualquer movimento poderia ser interpretado como oportunismo.

Eles admitem, no entanto, que se se tudo que já foi divulgado contra o presidente for confirmado, a situação ficará “insustentável”. Também afirmam que, se os ministros do PSDB realmente entregarem os cargos, isso terá influência sobre os demais partidos da base.

PTB e PP também afirmaram que vão esperar os novos desdobramentos para decidir se permanecem na base aliada. “Eu não acho nada, preciso ver o vídeo”, afirmou o líder do PP na Câmara, deputado Arthur Lira (PP-AL).

No PR, o presidente nacional do partido, o ex-senador Antonio Carlos Rodrigues, defendeu a entrega imediata do Ministério dos Transportes. O titular da pasta, porém, o deputado licenciado Maurício Quintella (AL), foi contra. "O que se tem até o momento são especulações de uma delação. Vamos aguardar os fatos", afirmou.

Os dois ministros do PPS também avaliam deixar o governo. Nesta quinta, a bancada do partido na Câmara defendeu a renúncia de Temer e a convocação de eleições diretas para Presidência.

Presidente do Solidariedade, o deputado Paulinho da Força (SP) afirmou que o partido ainda não tomou uma decisão, mas admite que a situação é grave. Para ele, a “saída mais honrosa” seria o Tribunal Superior Eleitoral caçar o mandato de Temer.

Já o presidente do PV, José Luiz Penna, lamentou a situação, mas disse que ainda teria uma conversa com o ministro do Meio Ambiente, Zequinha Sarney, para decidir se o partido iria deixar a pasta.

Delação. Como parte da sua delação premiada, o empresário Joesley Batista, dono da JBS, gravou uma conversa com Temer em que contou que e estava dando mesada ao ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha e ao doleiro Lúcio Funaro para que ambos ficassem calados. Após ouvir o relato, o presidente teria dito: “Tem que manter isso, viu?”.

Em sua delação premiada, o empresário afirmou que que não foi Temer quem determinou o pagamento da mesada, mas que ele pleno conhecimento da operação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.