Base aliada aceita exigência da oposição e voto será nominal

O líder do PT na Câmara, Arlindo Chinaglia (SP), afirmou que os líderes da base concordam que a votação do salário mínimo, na sessão prevista para amanhã, seja nominal. Segundo ele, essa concordância foi manifestada na reunião com o presidente da Câmara, João Paulo Cunha. Os partidos da oposição exigiram a votação nominal, porque do contrário usariam todas as táticas para obstruir a sessão. O líder do PMDB, José Borba (PR), considerou a votação nominal "pertinente ao processo". "É um desejo da oposição de distinguir os votos", disse Borba. Segundo ele, os deputados da bancada do PMDB deverão manter os votos que foram dados na primeira votação. O líder do PT vai reunir a sua bancada às 14h30 para discutir a votação de amanhã. O líder do PP na Câmara, Pedro Henry (MT), disse que sua bancada deverá repetir os votos dados ao governo na primeira votação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.