ED FERREIRA/ESTADAO
ED FERREIRA/ESTADAO

Barusco diz que Lula e Dilma participaram de reunião que foi embrião da Sete Brasil

Presidente da CPI dos Fundos de Pensão, deputado Efraim Filho, afirmou que vai apurar possíveis influência política e tráfico de influência para direcionar fundos para a criação da empresa

Bernardo Caram, O Estado de S.Paulo

19 Novembro 2015 | 14h55

BRASÍLIA - O ex-diretor de Operações da Sete Brasil e ex-gerente da Petrobrás, Pedro Barusco, disse nesta quinta-feira, 19, que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e sua então ministra Dilma Rousseff participaram de reunião da diretoria da Petrobrás na qual foi tratada a demanda por sondas de perfuração, o que posteriormente levou à criação da Sete Brasil. 

A afirmação foi feita em depoimento à CPI dos Fundos de Pensão, que investiga irregularidades na gestão desses fundos de servidores públicos. Barusco, delator da Operação Lava Jato, foi um dos participantes da formação da Sete Brasil, subcontratada da Petrobrás, constituída por diversos investidores, entre eles a própria estatal, e com recursos provenientes de fundos de pensão.

Ele explicou que após a descoberta do pré-sal e a ampliação da produção, a Petrobrás passou a necessitar de mais sondas. A estatal trabalhava apenas com equipamentos alugados. Na reunião, seria tratada a necessidade de alugar 18 sondas, um número considerado alto. Barusco disse ter se mostrado surpreso com a presença do então presidente Lula e de Dilma no encontro.

"Chamou tanta atenção (a demanda por sondas) que o presidente foi à reunião com a ministra", disse, ressaltando que se tratou de uma reunião de trabalho. Posteriormente, a Sete foi criada para ser a proprietária das sondas de perfuração do pré-sal. Hoje, em crise, a companhia gerou perdas aos fundos de pensão.

O presidente da CPI, deputado Efraim Filho (DEM-PB), afirmou que a comissão vai apurar possíveis irregularidades envolvendo o caso relatado por Barusco. "Se houve influência política para a criação da Sete Brasil, temos que investigar se houve influência política e tráfico de influência para alavancar mais de R$ 3 bilhões dos fundos de pensão, dinheiro de aposentados, para criar a Sete Brasil", disse. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.