Barros Munhoz e Alckmin defendem Serra para Instituto Teotônio Vilela

Disputa pelo comando do órgão criou um novo impasse no PSDB, que já enfrenta uma cizânia em torno da composição da Executiva Nacional

GUSTAVO URIBE, Agência Estado

21 de maio de 2011 | 12h07

O presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, Barros Munhoz (PSDB), uniu-se ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), na defesa do nome de José Serra (PSDB) para a direção do Instituto Teotônio Vilela (ITV). "A indicação de José Serra para o Instituto Teotônio Vilela seria ótima. Eu não conversei com ele a respeito, mas para o PSDB seria excelente", considerou o tucano. "O homem é capaz de fazer desse instituto o que ele precisa ser, e o que hoje ele não é", acrescentou. Na avaliação do parlamentar, hoje as entidades e organismos do PSDB "não funcionam bem".

"Esses organismos devem ser estimulados e devem funcionar bem. No nosso caso, por exemplo, não funcionam bem." Munhoz defendeu ainda o que chamou de uma "renovação" para o comando nacional do PSDB. Na avaliação dele, o atual presidente da sigla, deputado federal Sérgio Guerra (PE), fez um bom trabalho, mas seria oportuno no atual momento um presidente com uma "postura mais oposicionista". "Ele foi um bom presidente, mas seria saudável para o PSDB, neste momento, uma renovação. Alguém com uma postura mais oposicionista, mais consistente." O presidente da Assembleia Legislativa paulista considerou o nome do senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) como adequado para a assumir a direção do partido.

A disputa pelo comando do ITV criou nos últimos dias um novo impasse no PSDB, que já enfrenta uma cizânia em torno da composição da Executiva Nacional. A bancada do PSDB no Senado convidou formalmente o ex-senador Tasso Jereissati para dirigir o instituto, o que não agradou a aliados de José Serra. Desde a derrota de Serra nas eleições presidenciais de 2010, seus correligionários têm defendido a sua indicação para o instituto. Alckmin, que tem agido pessoalmente para que a legenda chegue a um consenso, também tem encampado em público o nome do ex-governador para o ITV. "Eu acho o Serra um ótimo nome, preparadíssimo. Ele pode dar uma boa contribuição ao partido no Instituto Teotônio Vilela", disse na última quinta-feira o governador.

O Instituto Teotônio Vilela é o órgão de estudos e formação política ligado ao PSDB, fundado em 1995. A ação do ITV se estende - a partir de sua sede, em Brasília - pelos 26 Estados. Nas eleições, a entidade se volta ao preparo e treinamento dos candidatos, especialmente nos pleitos municipais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.