Rafael Arbex|Estadão
Rafael Arbex|Estadão

Bares se preparam para espécie de final de Copa do Mundo no dia da votação

Manifestações pró e contra o impeachment de Dilma ocorrem em pontos diferentes de São Paulo e lojas podem permanecer abertas

Diego Ortiz e Marianna Dias Victor Holanda, O Estado de S. Paulo

16 de abril de 2016 | 09h51

A votação para a aceitação do impeachment da presidente Dilma ocorre neste domingo (17) e muitos bares de São Paulo já se preparam para o importante evento. Com um clima de final de campeonato mata-mata, a cidade se divide entre regiões a favor e contra o impedimento da presidente. A Vila Madalena, por exemplo, vai se definindo como um bairro pró-afastamento. 

Quase dois anos depois da Copa do Mundo, a expectativa é que a Vila Madalena tenha um dia de bandeirinhas e camisetas da seleção de novo no domingo. O bar Posto 6 (Rua Aspicuelta, 644) vai abrir e ficar o tempo todo exibindo a votação. "As pessoas estão ligando para saber se vamos transmitir ou não, pois querem comemorar. E vamos faturar então, né. Tirar um pouco dessa crise", afirma Fábio Salomão, dono do estabelecimento.

A poucos metros do Posto 6, clientes também poderão acompanhar os votos dos deputados. Segundo o gerente Jefferson Santos, tanto o endereço na Vila Madalena quanto o do Itaim Bibi do Boteco São Bento (Rua Mourato Coelho, 1060) vão transmitir a votação. "Foi uma decisão dos donos por acreditarem que é um assunto de interesse público. Nem tivemos muitas pessoas pedindo, mas é porque brasileiro deixa tudo para a última hora", comentou o gerente.

Os estabelecimentos em que Santos trabalha contam com quatro seguranças particulares, mas ele disse que podem chamar reforço, caso pareça necessário. "Mas, sinceramente, acho que a demanda vai ser mais para comemorar. Agora mesmo, estou vendo vários carros com bandeirinha do Brasil", comentou, enquanto ao telefone com a reportagem.

Para os gerentes do bar Alto da Harmonia, em Pinheiros, não importa se são muitas ou poucas as bandeirinhas em carros. O funcionamento será normal e, pelo menos à princípio, não será exibida a votação em nenhum dos três andares do estabelecimento."Não queremos que dê confusão, porque tem gente a favor e contra", explica a gerente Nilza Pinheiro. "Até o momento não houve demanda, mas se no momento alguém vier pedir, veremos na hora", completou.

Na Freguesia do Ó, o Frangó, reduto de famosas coxinhas, quer se manter neutro. As TVs ficarão ligadas, mas em canais de esportes. A direção da casa teme que haja confusão. O mesmo medo tomou conta da administração do Mercado Municipal, que fechará as portas no domingo logo após o almoço. 

Na região da Avenida Paulista, que costuma concentrar a massa de manifestação a favor do impeachment, os estabelecimentos estão divididos. O bar Asterix (Alameda Joaquim Eugênio de Lima, 575) vai abrir mais cedo, às 12h. Geralmente a primeira cerveja é servida às 15h no domingo. A Choperia Opção (Rua Carlos Comenale, 97), por sua vez, só vai decidir se abrirá ou não no sábado a tarde, já que da última vez teve que fechar as portas por causa da confusão nos protestos.

No Vale do Anhangabaú, reduto de manifestações petistas, praticamente todos os bares já não funcionam no domingo, por ser uma área muito deserta. E não haverá plantão especial devido à votação do impeachment.

Orientação. A Associação Brasileira de Shoppings Centers (Abrasce) sugeriu que a abertura das lojas seja facultativa. Na Paulista, os shoppings Cidade São Paulo e Top Center informaram que vão funcionar normalmente. Já o Center 3 fecha mais cedo, às 18h. Em outros shoppings perto de pontos de encontro de manifestantes já há determinação da administração para que as portas sejam fechadas imediatamente a qualquer sinal de tumulto. 

Nas ruas. O Movimento Brasil Livre (MBL) e o Vem Pra Rua lideram os protestos a favor do afastamento de Dilma Rousseff na Avenida Paulista no domingo, dia de votação do processo de impeachment no plenário da Câmara dos Deputados. O Vem Pra Rua fará concentração, a partir das 14 horas, na esquina com a Rua Pamplona e contará com o carro de som com dois telões para a transmissão da decisão. 

Os atos contra o impeachment, organizados pelos grupos Frente Brasil Popular e Povo sem Medo, que inclui a Central Única dos Trabalhadores (CUT), União Nacional de Estudantes (UNE) e União Brasileira de Mulheres (UBM), vão ocorrer no Vale do Anhangabaú, a partir das 10 horas.

Outras capitais. Grupos contrários e favoráveis ao impeachment também agendaram manifestações pelo Brasil. Em algumas cidades, a concentração será em praças com telões que transmitirão a votação ao vivo. Nas demais capitais, os movimentos ainda não marcaram locais e horários. 

Veja onde haverá protesto pelo Brasil: 

Belo Horizonte - Vigília e Marcha contra o Golpe na Praça Raul Soares, às 10h

Campinas - Manifestação pelo impeachment a partir das 15h

Campo Grande - transmissão da votação do impeachment a partir das 13h

Florianópolis - Votação ao vivo do impeachment, às 14h, no Trapiche da Beira Mar e 'Não vai ter golpe', às 15h, na Catedral Metropolitana

Fortaleza - Manifestação favorável ao impeachment a partir das 14h, na Praça Portugal

Goiânia - Manifestantes vão para Brasília

Manaus - Às 7h haverá panfletagem e Tribuna Popular na Zona Leste, na Avenida Grande Circular, Feira do Mutirão, Feira do são José, Bola do Produtor e, às 15h, está marcada a concentração no Largo São Sebastião para assistir à sessão de votação da Câmara Federal

Porto Alegre - Transmissão ao vivo do Parcão a partir das 14h

Porto Velho - Os dirigentes do movimento "Vem Pra Rua" irão instalar, a partir das 9h, um telão na Praça das Caixas D'Água

Santos - A manifestação pró-impeachemant está marcada para as 14h na Praça Mauá, no bairro do Gonzaga

São Luís - Ato a favor da presidente Dilma, a partir das 9h, na Praça Nauro Machad, Centro Histórico de São Luís  e ato a favor do impeachment , a partir das 13h, na Lagoa da Jansen

Recife - Mobilização pró-Governo às 9h, no Marco Zero 

Vitória -  Manifestação do domingo, pró-impeachment, começará às 14 horas, no posto Moby Dick, em Vila Velha

Tudo o que sabemos sobre:
PolíticaDilma RousseffImpeachment

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.