BRUNO DOMINGOS/REUTERS-9/6/2015
BRUNO DOMINGOS/REUTERS-9/6/2015
Imagem Adriana Fernandes
Colunista
Adriana Fernandes
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Barbosa pede apoio do Congresso para solução sobre reajuste do Judiciário

'A superação de nossas dificuldades econômicas envolve todos os Poderes. O momento é de União para superar esse desafio', pediu o ministro

Adriana Fernandes, O Estado de S. Paulo

01 de julho de 2015 | 15h17

Brasília - Depois da derrota desta terça na votação do projeto que reajusta o salário dos servidores do Judiciário, o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, afirmou que o governo precisa do apoio do Congresso Nacional para buscar uma proposta de consenso.

"O Congresso deve e pode ajudar a buscar uma solução", disse ele, que antecipou que a presidente Dilma Rousseff vai vetar o projeto. Mas até o prazo para sanção da lei, o governo vai buscar um acordo com o Judiciário e o Congresso.

Em entrevista ao Broadcast, o ministro destacou que o Brasil está atravessando um período de dificuldade econômica, mas é um período em que as soluções das dificuldades dependem "somente de nós mesmos". "A sociedade brasileira tem todos os instrumentos necessários para superar as dificuldades econômicas", disse.

Segundo ele, talvez a superação dessas dificuldades leve mais tempo do que o governo imaginava inicialmente, mas ainda assim os instrumentos para solucioná-las estão sob controle do País.

Ele reforçou o discurso de toda a equipe econômica de que o esforço de solução não é só do Executivo. "O problema fiscal não é só do governo federal. É um problema do Brasil e necessita para a sua boa solução a participação e colaboração de todos os órgãos públicos de todos os representantes eleitos pela população", disse num recado claro ao Legislativo.

Na sua avaliação, o Congresso deve e pode ser um agente nessa solução. "Vamos continuar trabalhando com o Congresso", disse o ministro, que informou que quando chegar ao Brasil, de volta da viagem presidencial aos Estados Unidos, vai procurar novamente os parlamentares para apresentar a situação e os detalhes para que possam ajudar o governo a fazer uma proposta de consenso.

Dificuldades fiscais. O ministro do Planejamento destacou que o governo vai continuar com seu papel de fazer e propor medidas para superar as dificuldades fiscais o mais rápido possível. "Precisamos do apoio do apoio do Congresso", afirmou.

"A superação de nossas dificuldades econômicas envolve todos os Poderes. O momento é de União para superar esse desafio", pediu o ministro. 

Questionado o que aconteceu nessa terça nas negociações da votação para a derrota do governo, o ministro respondeu: "Não estou aí (no Brasil). Não sou a melhor pessoa para falar como foram os debates no Congresso. Estávamos trabalhando para um adiamento da votação".

Ele fez questão de ressaltar que, no entendimento do governo, o reajuste dos servidores só entra em vigor em 2016. "Só pode começar a vale a partir de janeiro. Não havia necessidade de aprovar isso agora e poderia ter sido discutido com mais tempo e mais calma nas próximas semanas. Isso não é postergar a decisão é simplesmente melhorar a decisão", ponderou.

Tudo o que sabemos sobre:
ajuste fiscalJudiciarioSenado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.