Barbosa não convence PSDB sobre reajuste do mínimo

A exposição do secretário executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, não conseguiu convencer os deputados do PSDB a abandonarem a defesa da elevação do salário mínimo para R$ 600 este ano. Na avaliação dos tucanos, há margem para dar um aumento acima do valor de R$ 545, defendido pelo governo.

EDUARDO BRESCIANI, Agência Estado

15 de fevereiro de 2011 | 12h31

"O argumento do governo é com base na negociação feita com as centrais sindicais, mas nós entendemos que há margem para dar um valor maior. É possível e cabe tranquilamente no Orçamento", afirmou o líder do PSDB, Duarte Nogueira (SP), após a exposição.

O deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) afirma que é possível elevar com mais força o valor do mínimo, porque o governo estaria prevendo uma receita abaixo do que realmente vai acontecer em 2011. "A visão que a gente tem é de que há a possibilidade de se chegar aos R$ 600 e o governo não tem justificativas técnicas para negar isso. A receita para este ano está subestimada em R$ 17 bilhões, se formos pegar o ritmo do crescimento de arrecadação no ano passado", observa.

O líder do PSDB argumenta ainda que um aumento maior do mínimo poderia ajudar os trabalhadores perante o crescimento da inflação, que tem prejudicado principalmente as pessoas com rendimento mais baixo. Os tucanos levaram para a reunião com representantes do governo o economista Geraldo Biasoto, que também participará da reunião da Comissão Geral, logo mais, para defender a posição do PSDB.

Tudo o que sabemos sobre:
salário mínimoBarbosaPSDB

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.