Barbosa e Lewandowski são criticados por bate-boca

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) retomaram o julgamento do processo do mensalão nesta quarta-feira, 21, criticando o bate-boca ocorrido na semana passada entre o presidente da Corte, Joaquim Barbosa, e o vice-presidente, Ricardo Lewandowski.

ERICH DECAT, Agência Estado

21 de agosto de 2013 | 15h49

Logo no inicio da sessão desta quarta-feira, Barbosa se referiu ao episódio ressaltando o papel de um presidente da Corte e que a suas atitudes foram no intuito de evitar "maiores delongas" no julgamento do processo.

O ministro disse que não teve como objetivo cercear a manifestação de nenhum dos integrantes do STF. Segundo ele, sua interpelação foi no sentido de zelar pelo bom andamento dos trabalhos, o que incluiria a "regularidade e celeridade" dos trabalhos."Justiça que tarda não é Justiça", afirmou.

Em seguida com a palavra, Lewandowski classificou o bate-boca da semana passada com um "lamentável episódio" e citou todas as entidades que publicaram notas em seu apoio.

"Com referencia ao lamentável episódio da semana passada, quero dizer que me sinto e me senti extremamente confortado pelas manifestações formais explicitadas", afirmou, ponderando em seguida: "Quero deixar esse episódio de lado, considerando ultrapassado porque esse tribunal pela sua historia é maior que cada um de seus membros".

O ministro Celso de Mello também saiu em apoio a Lewandowski e ressaltou que o STF é mais importante do que seus integrantes. Por fim, o ministro Marco Aurélio parabenizou Lewandowski pela atuação na semana passada.

Após a explanação dos três ministro, Joaquim Barbosa demonstrou querer imprimir o mesmo ritmo que vem estabelecendo nas últimas sessões. "Vamos trabalhar, né".

Na última quinta-feira, 15, a sessão do STF foi encerrada após Barbosa e Lewandowski baterem boca no plenário. O desentendimento entre os dois começou quando os ministros passaram a discutir sobre a lei usada na dosimetria da pena aplicada a bispo Rodrigues. O ex-deputado foi condenado por lavagem de dinheiro e corrupção passiva a pena de 6 anos e 3 meses de prisão mais pagamento de multa no valor de R$ 696 mil. A divergência ocorre sobre a data da prática do crime.

Para Lewandowski, a pena não deve ser aplicada com base na lei 10.763, de 2003, que trata sobre crimes de corrupção uma vez que Rodrigues teria cometido o crime em 2002. A lei anterior a 2003 é mais branda. Em meio a explanação do ministro, Joaquim Barbosa acusou Lewandowski de fazer manobras protelatórias já que o tema tinha sido dirimido durante o julgamento no ano passado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.