Barbosa determina que Vara decida sobre trabalho de Dirceu

Presidente do Supremo afirmou que não cabe a ele, como relator do processo do mensalão, analisar o pedido da defesa do ex-ministro para que ele possa trabalhar durante o dia

Felipe Recondo, O Estado de S. Paulo

29 de novembro de 2013 | 18h48

Brasília - O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, determinou nesta sexta, 29, que a Vara de Execuções Penais (VEP) do Distrito Federal decida o pedido feito pelo ex-ministro José Dirceu para trabalhar em um hotel em Brasília.

Dirceu encaminhou ao STF e à VEP o pedido para deixar a Papuda diariamente para trabalhar como gerente administrativo do Hotel Saint Peter, onde receberia mensalmente R$ 20 mil.O cargo para o qual foi contratado, não existia até então e foi criado, segundo o hotel, em uma recente e providencial reforma administrativa.

No extrato do despacho, Barbosa afirma que o pedido de trabalho externo não consta do rol de decisões que caberiam a ele, como relator do processo, analisar. O assunto caberia à Vara de Execuções Penais do DF.

"Como se vê, o pedido de trabalho externo não se insere nas exceções postas à delegação feita, competindo, portanto, ao juízo da VEP/DF, analisar o requerimento apresentado pelo sentenciado José Dirceu. Isto posto, remetam-se os presentes autos à VEP/DF", decidiu Barbosa.

Criticas. O contrato de trabalho de Dirceu com o hotel já foi firmado e o ex-ministro aguarda apenas a decisão da Justiça para que o condenado no mensalão possa trabalhar como gerente administrativo. A contratação, contudo, fez com que o St. Peter virasse alvo de inúmeras críticas e piadas. No dia 27, a caixa de e-mails do hotel recebeu cerca de mil mensagens eletrônicas.

Segundo um funcionário, 90% delas eram piadas e críticas à contratação de Dirceu, que está preso em regime semiaberto no Complexo Penitenciário da Papuda. As demais mensagens eram pedidos de emprego.

Ainda não se sabe se Dirceu, caso seja contratado, terá de usar o uniforme dos funcionários: camisa branca, calça e gravata de cor azul. Mas, certamente, ele terá direito a uma sala individual, como os outros gerentes, com telefone, computador e internet. O hotel oferece refeitório e sala de descanso, com sofás e televisão, além de vale-transporte.

Tudo o que sabemos sobre:
mensalãoJoaquim BarbosaJosé Dirceu

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.