Evelson de Freitas/Estadão
Evelson de Freitas/Estadão

Barbosa considera 'encerrado' caso da prisão de repórter

Presidente do Supremo disse ainda que não presenciou o ocorrido e que 'não saberia avaliar' a situação

GUSTAVO PORTO, Agência Estado

30 de setembro de 2013 | 17h33

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, considerou encerrado o episódio que culminou com a detenção da jornalista Claudia Trevisan, correspondente do jornal O Estado de S. Paulo, na Universidade de Yale, na semana passada, antes de uma palestra do ministro no local. "Não tenho muito o que falar, pois estava participando de evento quando ocorreu. Não presenciei, não vi a jornalista e não a conheço e não saberia avaliar", disse.

Indagado se o momento delicado entre os dois países poderia ter influenciado na prisão da jornalista, Barbosa resumiu: "a leitura que faço é que episódio está encerrado", disse.

Lula

O ministro evitou comentar ainda a avaliação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de que seria mais criterioso na nomeação de juízes do STF se ainda ocupasse o cargo. "Não tenho nada a dizer, ele foi presidente da República e eu não sou presidente. Não tenho papel na nomeação de juízes do Supremo e nunca procurei exercer influência sobre esse papel", afirmou.

Barbosa voltou a criticar ainda a influencia política sobre juízes. "Juiz tem de ter tranquilidade, não deve sofrer qualquer tipo de influência. Desconfiem de juiz que fica travando relações políticas aqui e ali", afirmou o presidente do Supremo, que evitou ainda comentar os próximos passos do mensalão, após a admissão dos recursos chamados embargos infringentes. "Não posso falar sobre assunto que está em curso", concluiu.

Mais conteúdo sobre:
correspondenteprisãoEUABarbosa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.