Barbiere acusa deputado do PV de vender emenda

O deputado Roque Barbiere (PTB), pivô das acusações de venda de emendas na Assembleia Legislativa de São Paulo, apontou ontem à noite, em discurso no plenário, o primeiro nome de um colega segundo ele suspeito de integrar o esquema. Trata-se de Dilmo dos Santos (PV), um dos membros do Conselho de Ética. Conforme o petebista, seu colega parlamentar do PV fez sete indicações negociadas para cidades do interior.

AE, Agência Estado

27 de outubro de 2011 | 09h28

"A imprensa, sem que eu desse um nome, já podia investigar. Por exemplo, essa eu já assumo, o membro do Conselho de Ética José Dilmo mandou para a minha região sete emendas para fazer barracões, todas de R$ 150 mil, para caracterizar a carta-convite. Logicamente, só foi por isso", disse Barbiere. "A imprensa, não foi o deputado Roque Barbiere, foi a Lourdes (SP) entrevistar o prefeito Franklin. Perguntaram para que serviria o barracão. Ele disse que não sabia. Foram entrevistar o João, presidente da Câmara. Ele também disse que não sabia. O que significa? Que esse prefeito não correu atrás desta verba, ela foi oferecida a ele por alguém", disse.

Os barracões aos quais se referia são galpões multiuso indicados por Dilmo para cidades do interior. O único que o deputado verde admite ter saído de emenda da sua cota de R$ 2 milhões é o da cidade de Lourdes. Os outros, diz, foram indicações que fez ao governo, fora de sua cota.

Parte das informações trazidas à tona por Barbiere já haviam sido publicadas na imprensa em semanas anteriores. O pivô das acusações de venda de emendas ainda levantou suspeitas sobre a forma de contratação das empresas que, segundo ele, executam as obras. "Coincidentemente, três cartas-convite foram apresentadas pelo mesmo engenheiro. Isso é normal? Não é normal", afirmou.

Ministério Público

O deputado petebista voltou a sustentar que levará nomes e testemunhas ao Ministério Público e agradeceu o Conselho de Ética por tê-lo convidado, e não convocado, a dar explicações. "Quero agradecer ao Conselho de Ética que, por cortesia, me convidou em vez de convocar, pois se convoca bandido". Embora tenha ido à tribuna e prometa falar aos promotores, o deputado tem se recusado a comparecer ao Conselho de Ética, para a qual enviou um relato de diversas páginas em que não aponta nomes de parlamentares supostamente envolvidos no esquema.

Barbiere subiu ontem à tribuna após o deputado Carlos Giannazi (PSOL) ter discursado em favor do prosseguimento de um processo contra o petebista caso ele não apresente nomes dos supostos envolvidos nas vendas de emenda. O deputado ainda se gabou da aprovação de projetos elaborados em conjunto por todas as lideranças da Casa que pretendem dar mais transparência à indicação e à execução das emendas. "O projeto só saiu por causa das minhas denúncias."

Durante a reunião do conselho, o deputado Campos Machado (PTB), afirmou que Barbiere ligou hoje de manhã para Dilmo para pedir desculpas, versão confirmada por Dilmo. O próprio Barbiere não quis falar sobre o assunto. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
emendasAlespBarbiere

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.