Banpará: promotor decide sobre sumiço do relatório

O promotor José Vicente Miranda entrega hoje seu parecer sobre o sumiço, em 1992, do relatório do Banco Central que investigou o desvio de recursos no Banco do Estado do Pará (Banpará). Depois de uma semana trabalhando com a nova cópia, o promotor deve decidir se houve má fé no desaparecimento dos documentos. Miranda já adiantou que não vai tratar dos indícios de crimes apontados na fiscalização do BC. Ele poderá recomendar a abertura de outras investigações no Ministério Público Estadual (MPE) ou enviar o material ao Ministério Público Federal, caso avalie que houve participação do presidente do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA), no desvio dos recursos.De acordo com o procurador-geral de Justiça do Pará, Geraldo Rocha, os autos da investigação de Miranda mostram que o relatório completo não foi enviado ao MPE em 1992, não havendo, portanto, como o material ter desaparecido. O relatório da fiscalização do BC envolve o presidente do Senado, Jader Barbalho, no desvio de R$ 1 milhão de recursos do banco através da aplicação em fundos de renda fixa ao portador, feitas com cheques administrativos do Banpará. Parte do dinheiro desviado foi rastreado pelo BC nas contas do senador.O BC alega ter enviado o relatório ao Pará em outubro de 1992, mas o MPE registra em seu protocolo o recebimento de um documento curto e que não levanta qualquer suspeita sobre Jader. A polêmica sobre o desaparecimento envolve diretamente a ex-procuradora geral do Estado, Marília Crespo. Foi durante sua administração no MPE, quando Barbalho era governador, que o relatório teria sumido. Crespo nega qualquer envolvimento e garante que as 2.709 páginas enviadas pelo BC na semana passada nunca tinham chegado ao MPE.Para evitar novas polêmicas, o procurador Geraldo Rocha fez uma cópia do relatório completo do BC, lacrou e guardou no cofre do MPE. Segundo ele, se algum dia houve dúvidas sobre o que chegou aos procuradores a cópia poderá servir para defesa do MPE. Para evitar que qualquer informação protegida por sigilo bancário seja divulgada, o promotor Vicente Miranda vem trabalhando sozinho com sua equipe na elaboração do relatório que será entregue hoje.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.