BankBoston é acusado de omitir contribuição a Meirelles, diz revista

O site da revista Época traz hoje reportagem na qual o Ministério Público do Trabalho abriu processo para investigar suspeita de que o BankBoston teria pago salários para policiais que trabalharam como seguranças na campanha do então candidato a deputado federal Henrique Meirelles, em 2002. De acordo com a revista, o Ministério levanta suspeita sobre um eventual acerto de indenizações irregulares para encobrir ajuda de campanha. Um dos policiais teria recebido, pelo acordo, R$ 140 mil. À revista Época, Meirelles disse que não há doação do BankBoston à sua campanha. Meirelles, segundo a revista, disse que o seu contrato com o banco previa uma série de condições, entre elas sua segurança no Brasil, mesmo depois que ele deixasse a presidência mundial do BankBoston, cargo que ocupou até agosto de 2002. Meirelles disse ainda que os seguranças o acompanhavam em todo tipo de evento, incluindo os atos de campanha. De acordo com a revista, o Ministério Público Federal já estaria investigando acusação de crime eleitoral contra Meirelles e o banco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.