Banco vê ''menção imprópria''

A assessoria de imprensa do Bradesco informou que as interceptações telefônicas envolvendo o banqueiro Lázaro de Mello Brandão são uma "menção imprópria e deslocada do contexto".Procurada pela reportagem, a empreiteira baiana OAS tomou conhecimento da participação de um informante e das investigações em sua sede, mas não se manifestou.Joílson Santos Góes, suposto funcionário da OAS e, segundo a PF, "operador do esquema de lavagem de dinheiro envolvendo Kurt Pickel", não foi encontrado para comentar as suspeitas levantadas pela Operação Castelo de Areia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.