Banco dos EUA descarta viés populista na eleição

Relatório aponta ainda cenários em caso de vitória do governador paulista ou da ministra-chefe da Casa Civil

Agência Estado,

05 de março de 2010 | 12h23

Relatório elaborado pelo banco norte-americano Merrill Lynch e enviado para investidores aponta o ambiente fiscal brasileiro como um dos fatores de risco da eleição deste ano e descarta a possibilidade de viés populista na disputa. O texto aponta ainda cenários em caso de vitória do governador paulista, José Serra (PSDB), ou da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT).

 

Veja também:

link PSDB paulista antecipará horário gratuito para alavancar Serra

link Brechas na lei ajudam Lula a fazer campanha no cargo

link Lula nega licença para trabalhar em campanha de Dilma

blog Vox Publica: Transparência e publicidade das doações eleitorais

Intitulado Kicking Off 2010 Presidencial Election in Brazil (Começou a eleição presidencial de 2010 no Brasil), o documento afirma que, caso Serra vença, os investidores podem esperar menos gastos públicos. Em caso de vitória de Dilma, destacam que haverá manutenção dos fundamentos da economia, mas também mais gastos sociais. O texto foi divulgado na semana passada, antes da pesquisa Datafolha deste final de semana, mas após a confirmação de Dilma como candidata do PT. O relatório traça o perfil dos candidatos e a posição deles sobre alguns temas.

Na avaliação dos estrategistas do banco, se Serra vencer, os investidores podem esperar mais engajamento no esforço pela aprovação de reformas constitucionais que levarão a menos gastos públicos. Falam ainda em menor intervenção do governo nas agências regulatórias. No caso de vitória de Dilma, afirmam que pode ser esperada a manutenção do tripé macroeconômico (câmbio flutuante, ajuste fiscal e metas de inflação) e o aumento da presença do Estado na economia por meio de um crescimento dos gastos sociais e de infraestrutura.

A eleição deste ano não tem causado grande expectativa no mercado financeiro, diferentemente de 2002, quando o risco País disparou com a possibilidade de vitória do então candidato petista Luiz Inácio Lula da Silva. Até agora a discussão tem se dado em torno do papel do Estado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.