NACHO DOCE
NACHO DOCE

Banco de Esteves doou R$ 31,9 milhões para campanhas em 2014

O único banco que superou o BTG em doações foi o Bradesco, que doou R$ 49,6 milhões

Pedro Venceslau e Ricardo Chapola, O Estado de S. Paulo

25 Novembro 2015 | 19h12

 

SãoPaulo - Considerado no mercado um banqueiro com perfil agressivo nos negócios, André Esteves sempre cultivou relações com políticos de vários partidos. O BTG, banco que ele presidia, está entre os onze maiores doadores de campanha nas eleições de 2014. No total, o banco repassou R$ 31,9 milhões, segundo dados fornecidos pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O único banco que superou esse valor foi o Bradesco, que doou R$ 49,6 milhões  

O BTG doou R$ 9,5 milhões à campanha presidencial que reelegeu Dilma Rousseff, mas fez também doações aos adversários da petista. O banco repassou R$ 7,5 milhões ao comitê presidencial do PSDB, cujo candidato foi o senador Aécio Neves.

O senador Delcídio Amaral, preso nesta quarta-feira, 25, recebeu R$ 600 mil da instituição. 

O banqueiro sempre circulou com desenvoltura entre políticos e participou de eventos com tucanos e petistas. Criado pelo BTG há 15 anos, o CEO Conference, que acontece anualmente em Nova York, já recebeu como convidados o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o governador Eduardo Campos, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o senador Aécio Neves, presidente do PSDB.

Segundo a assessoria do banco, em todos os casos os palestrantes tiveram todas as despesas pagas pela instituição.             

Durante a campanha presidencial de 2014, Esteves participou de eventos empresariais que homenagearam o então candidato tucano, Aécio Neves. O nome do dono do BTG apareceu em interceptações telefônicas feitas pela Polícia Federal no celular do ex-presidente da OAS, José Adelmário Pinheiro Filho. Na ocasião, um interlocutor não identificado avisava a Léo Pinheiro que o Esteves, do banco BTG Pactual, “estava 100% com o Aécio”. “Parece que o Esteves está 100% com o Aécio. Ouvimos do PT que estão chateados”, disse o interlocutor. A OAS e seus executivos, o banco BTG e a defesa do executivo Léo Pinheiro não quiseram comentar as mensagens que foram noticiadas em julho deste ano.

Segundo os dados do TSE, o BTG também fez doações de campanha ao PMDB. O banco repassou R$ 7,02 milhões ao partido. A entidade também repassou R$ 500 mil para a campanha de Eduardo Cunha a deputado federal, que é atualmente o presidente da Câmara. Cunha é investigado pelo Supremo Tribunal Federal por suspeitas de receber propina com dinheiro desviado da Petrobrás via contas no exterior. O peemedebista nega as acusações. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.