Antonio Augusto/Câmara dos Deputados
Antonio Augusto/Câmara dos Deputados

Bancada evangélica tenta emplacar nomes no governo Jair Bolsonaro

Após barrar Mozart Ramos da Educação, frente parlamentar apresenta nomes para pasta da Cidadania, cujo desenho ainda está indefinido

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

28 Novembro 2018 | 11h23

BRASÍLIA – Integrantes da bancada evangélica tentam emplacar um novo ministro no governo Jair Bolsonaro (PSL). Líderes do grupo levaram os nomes dos deputados Ronaldo Nogueira (PTB-RS), Marco Feliciano (PODE-SP) e Gilberto Nascimento (PSC-SP) à equipe de transição como sugestões para a pasta da Cidadania, cujo desenho ainda não está definido. 

Evangélico, o senador Magno Malta (PT-ES), não reeleito, é visto como um bom nome, mas faria parte da "cota pessoal" de Bolsonaro, segundo integrantes da bancada. "Entendemos que ele (Malta) tem méritos próprios, fez por merecer. Se o presidente não escolher ele depois de tudo o que ele fez na campanha será ingratidão", disse um parlamentar ao Broadcast Político. 

Ontem, após reunião com parlamentares da bancada evangélica, Bolsonaro voltou a dizer à imprensa que a sua negociação com o Congresso será feita através das bancadas, e não dos partidos. Sobre o ministério da Cidadania, Bolsonaro respondeu: "vai ter um ministério que vai envolver tudo isso aí: mulher, igualdade racial, está certo?".

Pastores e políticos que apoiaram a campanha de Bolsonaro também cobram agora do presidente eleito a nomeação de representantes no quadro ministerial. Nas redes sociais, o pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, já fez um vídeo para defender a nomeação de Magno Malta no governo.

A capacidade de reação dos evangélicos aliados a Bolsonaro ficou evidente quando a bancada religiosa conseguiu barrar a escolha de Mozart Ramos, diretor do Instituto Ayrton Senna, para o Ministério da Educação. No lugar, foi escolhido o filósofo colombiano Ricardo Vélez Rodríguez, que defende a pauta conservadora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.