Bancada dos sem-voto já chega a 16

Mauro Fecury (PMDB-MA) assumirá vaga deixada por Roseana Sarney

Christiane Samarco e Marcelo de Moraes, O Estadao de S.Paulo

25 de abril de 2009 | 00h00

No velho estilo da troca de ajuda financeira por poder político, predominante na relação entre os candidatos a senador e seus suplentes, o ex-deputado Mauro Fecury (PMDB-MA) assumirá uma das três vagas do Maranhão no Senado, no lugar da recém-empossada governadora Roseana Sarney (PMDB-MA). Amigo da família Sarney há três décadas, quando foi indicado prefeito biônico de São Luís, graças ao hoje presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), desde então Fecury tem sido peça fundamental nas campanhas do clã.Nas últimas campanhas - quando Roseana disputou o governo estadual, seu pai ganhou a cadeira de senador pelo Amapá e o irmão Zequinha Sarney reelegeu-se deputado - Fecury contribuiu com seu jato executivo Citation, de última geração. Sonho de consumo de todo candidato majoritário em Estados como o Maranhão, onde a distância entre uma cidade e outra pode ultrapassar os mil quilômetros, o jatinho deu aos Sarney a mobilidade essencial para uma campanha bem-sucedida.Com a posse de Fecury, subirá para 16 a bancada dos sem-voto, que hoje representa 19,75% do total de 81 senadores. Embora o auxílio eleitoral dado por ele aos Sarney tenha sido de grande valia, a gratidão é mútua. Afinal, o próspero empresário da educação deve à boa vontade do presidente Sarney a criação de seu Centro Universitário do Maranhão (Uniceuma), a primeira universidade do grupo educacional Euroamericano, que hoje tem mais de 30 mil alunos no Maranhão, Pará e Distrito Federal.Foi Sarney quem, no apagar das luzes de seu governo, exatos 13 dias antes da posse do sucessor Fernando Collor de Mello, assinou decreto autorizando o funcionamento de cinco cursos que deram início ao Centro Universitário Euroamericano (Unieuro), em Brasília.VALMIR-RENANBem-sucedido na tática de investir em campanhas para herdar mandatos, o poderoso empresário de transportes Amaral estreou no Senado assumindo como suplente a vaga aberta pela cassação do senador Luiz Estevão (PMDB-DF).Com a experiência de titular por seis anos, Amaral já prepara sua mudança para Maceió. De olho na sobra futura de meio mandato do líder do líder peemedebista Renan Calheiros, o empresário quer transferir seu domicílio eleitoral para Alagoas. O líder planeja se reeleger no ano que vem e disputar o governo estadual em 2014. Amaral quer ser primeiro suplente de Renan, para se tornar senador por mais quatro anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.