Bancada do PT ainda não sabe como inscrever Chinaglia

Em quase duas horas de reunião a portas fechadas nesta segunda-feira, a bancada de deputados federais do PT não bateu o martelo se a candidatura de Arlindo Chinaglia à presidência da Câmara será em nome do partido ou se será avulsa. Se a candidatura for representando o PT e Chinaglia perder a disputa, o partido fica sem direito a ocupar cargos na Mesa Diretora da Câmara. "Não há uma decisão sobre como vamos registrar a candidatura de Chinaglia", disse o presidente nacional do partido, Ricardo Berzoini, ao lembrar que a candidatura do petista conta com o apoio do PMDB, maior partido da Câmara. "Só vamos decidir se a candidatura será avulsa ou não no último minuto", admitiu o líder do PT, deputado Henrique Fontana (RS). Durante a reunião, Arlindo Chinaglia fez um apelo para que a bancada se mobilize fortemente nesta reta final da disputa para que ele conquiste 257 votos, o mínimo necessário para que ganhe a eleição em primeiro turno. A avaliação é que o petista tenha hoje cerca de 270 do total de 513 votos de deputados. Parte da bancada do PT teme que se a eleição for para segundo turno, Chinaglia acabe perdendo a disputa para Aldo Rebelo (PCdoB), candidato à reeleição. "Foi uma reunião de mobilização para nos organizarmos e pedir votos para o Chinaglia", resumiu Fontana. "O Chinaglia tem o apoio do presidente Lula e da maioria dos partidos. Mas o voto é secreto e, por isso, ele sabe que está em um campo com areia movediça", observou o deputado Domingos Dutra (PT-MA).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.