Bancada do PSOL na Câmara vai pedir a prisão de Jucá por 'obstrução da Justiça'

Partido vai entrar com representação na PGR após conversa vazada apontar Jucá sugerindo pacto para frear a Lava Jato; Rede também anuncia que vai à Justiça contra o senador peemedebista

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

23 de maio de 2016 | 11h29

A assessoria de imprensa da bancada do PSOL na Câmara dos Deputados informou na manhã desta segunda-feira, 23, que entrará com uma representação contra o ministro do Planejamento, Romero Jucá, na Procuradoria Geral da República (PGR). O partido irá sugerir a prisão do peemedebista por obstrução da Justiça.

A expectativa é de que o partido vá à PGR ainda na tarde desta segunda. Reportagem do jornal Folha de S. Paulo revelou que, em uma conversa com o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, Jucá sugere a existência de um pacto para obstruir a Operação Lava Jato e diz que é preciso "estancar a sangria".

Durante a tarde, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) afirmou que seu partido, a Rede Sustentabilidade, também vai entrar com representação na PGR pedindo, "no mínimo", o afastamento do senador Romero Jucá do cargo de ministro do Planejamento.

Rodrigues classificou como "gravíssima" a divulgação de conversa. "Mostra o grau de envolvimento não só do senador, mas do governo (Michel) Temer contra a Lava Jato", afirmou o parlamentar da Rede. 

Randolfe disse que a Rede marcou uma reunião extraordinária para 19 horas desta segunda-feira, quando os membros da direção da sigla devem fechar os detalhes da representação na PGR. Segundo ele, a legenda ingressará com a ação ainda nesta semana, independente da representação semelhante que o PSOL também promete apresentar. 

Conselho. O senador Telmário Mota (PDT-RR) também anunciou que vai ingressar no Conselh0 de Ética do Senado com pedido de cassação do mandato do senador Romero Jucá (PMDB-RR), licenciado para ocupar o ministério do Planejamento.  O senador Randolfe Rodrigues afirmou que a Rede apoiará a representação, mas não subscreverá, para evitar que ele seja impedido de relatar o caso no colegiado.

Afastamento.  Agora na base do governo do presidente em exercício Michel Temer, o líder do Democratas no Senado, Ronaldo Caiado (GO), defendeu nesta manhã que o ministro do Planejamento, Romero Jucá (PMDB), seja afastado do cargo. / COLABOROU IGOR GADELHA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.