Bancada do PMDB decide não assinar pedido de CPI

O líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), anunciou a decisão da bancada de não assinar o requerimento para abertura da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o caso Waldomiro Diniz, ex-assessor do ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu. Renan afirmou que o senador Pedro Simon (RS) atenderá à recomendação da bancada. "Mas ele não será impedimento para que se instale a CPI", disse. Simon chegou a defender que a bancada apoiasse a CPI, mas foi convencido do contrário. É necessário que um terço dos senadores ? 27, portanto ? assine o requerimento para que uma CPI seja aberta. O senador Pedro Simon afirmou que, se a lista chegar a 26 assinaturas e não houver outro senador que assine, ele será o 27º. Ao anunciar a decisão da bancada contra a CPI, Renan descartou o apoio à proposta de senadores do PT de fazer uma CPI ampla. "Qualquer CPI vai tumultuar a vida política do País e prejudicar sua credibilidade", afirmou. Segundo Renan, a preocupação do PMDB é evitar que se politize a investigação. Para ele, essa politização está se dando pela proximidade de Waldomiro Diniz ao ministro José Dirceu. Na bancada do PMDB, apenas o senador Mão Santa (PI) assinou o pedido de CPIm até a tarde desta terça-feira. Do almoço do PMDB, participaram 17 senadores, mas Renan afirma que os outros quatro ausentes foram consultados e apoiaram a decisão da bancada. Mão Santa não compareceu. Esclarecimento Cerca de meia hora depois de anunciar a decisão da bancada, Calheiros procurou os repórteres para dizer que os senadores do partido não haviam fechado questão contra a instalação da CPI, conforme chegou a ser informado nos noticiários online. Segundo Renan, o que houve foi uma "recomendação" aos senadores da bancada para que aguardassem o desenrolar dos acontecimentos e não assinassem agora o requerimento de criação da CPI. Renan disse que a recomendação à bancada não prevê restrição nem punição a eventuais decisões pessoais dos senadores. "O PMDB é um partido democrático", disse Renan.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.