André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Bancada da bala ataca quarentena para candidatura de juízes, policiais e outros agentes de segurança

Frente parlamentar, que inclui 304 deputados e 10 senadores, tenta barrar mudança proposta no novo código eleitoral 

Camila Turtelli, O Estado de S. Paulo

26 de agosto de 2021 | 14h33

BRASÍLIA - O presidente da Frente Parlamentar da Segurança Pública, conhecida como  “Bancada da Bala”, divulgou uma nota de repúdio, nesta quinta-feira, 26, contra a possibilidade de agentes de segurança pública só poderem se candidatar se tiverem se desligado de suas funções cinco anos antes das eleições.

Segundo o deputado Capitão Augusto (PL-SP), há flagrante "inconstitucionalidade" na chamada quarentena eleitoral, que foi incluída ontem no parecer do projeto de lei que cria o novo Código Eleitoral. O projeto é relatado pela deputada Margarete Coelho (PP-PI). Atualmente, a bancada da bala tem 304 deputados e 10 senadores.

Na nota, Capitão Augusto diz que "a elegibilidade é direito constitucional que traduz a expressão máxima do exercício da cidadania, a tal ponto que a sua mitigação coloca em xeque a própria existência do Estado de Democrático de Direito".

A nova versão do parecer de Margarete determina que são inelegíveis servidores integrantes das guardas municipais, das polícias Federal, Rodoviária Federal e Ferroviária Federal, polícias civis, magistrados e membros do Ministério Público que não tenham se afastado definitivamente de seus cargos e funções até cinco anos antes do pleito. Margarete excluiu da regra aqueles servidores que já possuem mandato.

"Conclamamos que os membros da maior bancada do Congresso Nacional, que é a desta Frente Parlamentar da Segurança Pública, esteja unida para rejeitar firmemente qualquer iniciativa nesse propósito, rogamos que o Presidente da Câmara dos Deputados e as lideranças partidárias não permitam essa medida e que matéria de tão relevância tenha a tramitação regimental adequada na comissão especial", diz a nota.

Caso o projeto seja aprovado sem alterações nos plenários da Câmara e do Senado e sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro até outubro deste ano, o caminho para as eleições de 2022 estará fechado para militares, policiais, juízes e promotores. As últimas eleições foram marcadas por um avanço nas candidaturas de representantes das Forças Armadas, magistratura, Ministério Público e polícias.

O Estadão/Broadcast Político apurou que Augusto já procurou o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e está ligando para líderes tentando reverter o texto. No entanto, a quarentena tem apoio no Congresso para ser aprovada, inclusive de parlamentares da área da segurança que enxergam na nova regra uma diminuição da concorrência nas próximas eleições.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.