Balões vermelhos em Copacabana alertam para mortes no Rio

Quatro mil balões vermelhoscobriram parte da areia da praia de Copacabana, nestasexta-feira, em mais uma manifestação contra a violência no Riode Janeiro. O número representa uma estimativa para o restantedo ano, feita por uma organização, das possíveis vítimas do"cenário de guerra" no Estado.

REUTERS

27 de junho de 2008 | 13h00

A entidade Rio de Paz, que já cobriu a praia com rosasvermelhas e cruzes pretas para protestar contra as mortes noRio, estima que 4.000 pessoas morrerão vítimas da violência noEstado no segundo semestre, totalizando cerca de 7.600 mortesem 2008, se o governo não tomar providências emergencias naárea da segurança.

Dados do Instituto de Segurança Pública, da Secretaria deSegurança do Rio de Janeiro, informam que 1.923 pessoasmorreram vítimas de homicídio doloso ou pelas mãos da políciafluminense de janeiro a março deste ano. Em 2007, foram 7.463mortes decorrentes dessas causas, de acordo com o ISP.

"Os balões de cor vermelha representam as vidas que estãopor um fio", disse à Reuters TV o presidente do Rio de Paz,Antonio Costa. "Nós estamos em um contexto de guerra no Estadodo Rio de Janeiro."

Junto com os balões, o movimento levou a Copacabana umManifesto pela Redução de Homicídio no Brasil, que seráencaminhado a autoridades de segurança do Estado. De acordo coma entidade, o documento já conta com mais de 10 milassinaturas.

Um cartaz anunciava a manifestação com os dizeres: "Os4.000 que estão para morrer. Quem os salvará?"

Os balões, que amanheceram presos à areia por fios, foramreunidos e soltos no céu no fim da manhã.

(Por Pedro Fonseca, com Reuters TV)

Tudo o que sabemos sobre:
GERALVIOLENCIARJBALOES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.