Balbinotti envia documento com explicações para Lula

O deputado Odílio Balbinotti (PMDB-PR), indicado para assumir o cargo de ministro da Agricultura, enviou nesta sexta-feira, 16, ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva um documento, com cópia para a direção do partido, para mostrar que nada mais deve ao Banco do Brasil (BB).No Supremo Tribunal Federal (STF), há um processo contra o deputado, no qual ele é acusado de falsificação de documentos. A confirmação oficial de Balbinotti no cargo de ministro ainda não foi feita pelo presidente e sua indicação está ameaçada.O documento enviado pelo deputado ao presidente é da agência do Banco do Brasil de Alto Garças (MT) e está assinado pelo gerente da agência, Daniel Ambrósio Fialkoski, com data de 26 de julho de 2005. O documento afirma que a única dívida contraída junto ao BB diz respeito à securitização e "encontra-se liquidada na sua integralidade".Apesar desse documento, é ruim a situação de Balbinotti, tanto no Palácio do Planalto, onde colaboradores do presidente Lula têm criticado sua indicação, quanto no PMDB. De acordo com um dirigente peemedebista, a iniciativa da escolha de Balbinotti não foi do partido e seu nome só entrou na lista de ministeriáveis para atender a uma exigência de Lula, que buscava para a Agricultura um empresário do setor rural.InquéritoBalbinotti é suspeito de ter falsificado documentos para conseguir o alongamento de uma dívida bancária que contraiu nos anos 90. A informação é de policiais de Mato Grosso, onde o gaúcho possui 14 fazendas. Há um inquérito no STF para o caso, que tramita em segredo de Justiça.Balbinotti precisou esticar o prazo para quitação de um empréstimo. Esbarrou numa cláusula que impunha um teto ao valor emprestado para que o tomador possa alongar a dívida. Para driblar a regra, Balbinotti teria declarado que os recursos não foram canalizados só para sua empresa, mas também para outras pessoas jurídicas que teriam ligação entre si.A suspeita é de que, para dar força à versão, ele teria mandado forjar documentos. O objetivo seria diluir a cifra entre os outros supostos empresários e se enquadrar nas condições bancárias para o alongamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.