BA faz operação tapa buracos emergencial para receber Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, os ministros de Minas e Energia, Silas Rondeau, das Relações Exteriores, Celso Amorim, e o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, não chegaram a ver - foram de helicóptero -, mas o governo do Estado montou uma operação de emergência para tentar tapar buracos na BA-122 e garantir a chegada de diversas outras autoridades à inauguração oficial da Usina de Biodiesel de Iraquara, como o próprio governador, Jaques Wagner (PT). Ainda na noite de sexta-feira, era possível ver caminhões despejando barro nos buracos da rodovia, mas como choveu durante a noite na região, o esforço foi em vão e não impediu o atraso da chegada dos convidados à cerimônia - inicialmente marcada para as 10 horas (11 horas de Brasília). O evento de inauguração da unidade, a terceira da Brasil Ecodiesel - as outras estão localizadas em Floriano (PI) e Crateús (CE) -, começou apenas no início desta tarde, a 464 quilômetros de Salvador. Os contratempos com a estrada, porém, não tiraram o clima de comemoração da solenidade, marcada pela grande presença - cerca de 4 mil - de trabalhadores rurais da região, no centro da Bahia. "Um investimento como esse chega a ser melhor que o Bolsa-Família", comemorou o presidente da Brasil Ecodiesel, Nelson Côrtes da Silveira. Logo na chegada, Lula recebeu de um funcionário da empresa uma muda de mamona - à qual chamou de "pezinho de biodiesel". "Vou plantar na Granja do Torto", garantiu. Pouco depois, posou para fotografias e disparou, sorrindo, para os fotógrafos: "O importante aqui é o Jaques Wagner." A unidade de Iraquara passa a ser a maior do País e a terceira da empresa, mais importante produtora nacional de biodiesel - e opera em fase experimental desde dezembro. A planta custou R$ 33 milhões, emprega atualmente 250 funcionários e, segundo Silveira, vai ser capaz de produzir 120 milhões de litros de biodiesel por ano - a fábrica conta com a maior esmagadora de mamona do Brasil, com capacidade de processar 800 mil toneladas do fruto por dia. "Apenas na cadeia produtiva da mamona, a unidade está beneficiando 45 mil famílias, de 150 municípios baianos", afirma Silveira. "Além disso, a Bahia é o Estado em que as associações cooperativistas e de associativismo estão mais bem organizadas, algo fundamental para a geração de nossa matéria-prima". Com a inauguração - e com outras quatro previstas até o fim do ano, nos Estados de Tocantins, Maranhão, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul, a Brasil Ecodiesel espera alcançar a produção de 727 milhões de litros por ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.