Azeredo 'some' depois de dizer que faria campanha de Aécio

Diferentemente do que ocorreu em evento tucano de maio, acusado no mensalão mineiro não foi à convenção

O Estado de S. Paulo,

11 Junho 2014 | 07h45

BELO HORIZONTE - Apesar de ter afirmado que participaria das campanhas do senador Aécio Neves (PSDB-MG) à Presidência e do ex-ministro e também tucano Pimenta da Veiga ao governo de Minas, o ex-deputado federal Eduardo Azeredo, um dos fundadores da legenda, não foi à convenção do diretório mineiro nessa terça-feira, 10, em Belo Horizonte. Sem dar detalhes, o presidente do PSDB mineiro, Marcus Pestana, disse que Azeredo não compareceu ao evento porque estava viajando.

Azeredo deixou o cargo de deputado após o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pedir à Justiça que ele seja condenado a 22 anos de prisão por participação no mensalão mineiro. Após renunciar, Azeredo ficou ausente de encontros da sigla até maio, quando participou de ato no qual foram confirmados os nomes do ex-governador Antonio Anastasia (PSDB) para disputar a vaga no Senado e o do presidente da Assembleia Legislativa de Minas, deputado estadual Dinis Pinheiro (PP), como vice de Pimenta, chapa confirmada ontem na convenção.

Na ocasião, Aécio afirmou que Azeredo participaria da campanha da forma que achasse “adequada”. Pimenta disse que Azeredo deveria fazer o que lhe parecesse “conveniente”. O próprio ex-deputado declarou que participaria ativamente das campanhas. “Sou fundador do partido. Vou defender o Pimenta e o Aécio”, disse. O Estado tentou falar ontem com a assessoria de Azeredo, mas não houve resposta.

O próprio Pimenta pode enfrentar problemas por envolvimento com o empresário Marcos Valério, condenado no mensalão federal. Pimenta foi indiciado por lavagem de dinheiro por receber R$ 300 mil das agências do empresário em 2003.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.