Azeredo nega ter sido 'escondido' em evento do PSDB

Acusado de envolvimento com o mensalão mineiro, deputado disse que tinha compromisso em BH

Eduardo Kattah, O Estado de S. Paulo

19 de novembro de 2013 | 20h00

O deputado federal Eduardo Azeredo (MG) negou nesta terça-feira, 19, que tenha sido "escondido" pelo PSDB num ato que reuniu, na segunda, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o senador Aécio Neves e oito governadores do partido em Poços de Caldas, no sul de Minas. No encontro intitulado "Federação Já", Aécio e FHC fizeram, respectivamente, duras críticas ao PT e aos petistas presos por envolvimento com o mensalão.

"Não fui porque tive um compromisso aqui (em Belo Horizonte)", afirmou Azeredo ao Estado. "A gente não consegue ir a todos (os eventos). Se tem uma coisa que não podem dizer é isso."

Ex-governador de Minas, ex-presidente do PSDB, Azeredo é acusado de envolvimento num esquema de financiamento ilegal de sua campanha à reeleição para o governo do Estado em 1998 - batizado de mensalão mineiro. Ele é réu em ação penal no Supremo Tribunal Federal, que ainda irá a julgamento.

A Procuradoria-Geral da República apontou desvio de pelo menos R$ 3,5 milhões para a campanha, por meio da "retirada criminosa" de recursos públicos da empresas estaduais Copasa (R$ 1,5 milhão), Comig (R$ 1,5 milhão) e do antigo Banco Estadual do Estado, Bemge (R$ 500 mil). A ação penal contra Azeredo foi recebida pelo STF em dezembro de 2009.

Outros acusados, entre eles Marcos Valério Fernandes de Souza - condenado e preso no mensalão -, respondem a ação na 9ª Vara Criminal de Belo Horizonte.

Azeredo sustenta que não teve responsabilidade em eventuais irregularidades na campanha de 1998 e disse que o PT tenta desviar a atenção das prisões de ex-dirigentes da sigla, determinadas na semana passada pelo presidente do Supremo, Joaquim Barbosa, cobrando o julgamento do mensalão mineiro.

"O PT quer desviar o assunto para vir para cima de mim. O PT quer forçar uma identidade e essa identidade não existe. Não se pode chamar de mensalão o que aconteceu em Minas. Não houve compra de apoio", afirmou.

"Foram patrocínios de estatais sobre as quais eu não tive responsabilidade. As responsabilidades de um governador são as mesmas de um presidente da República. São as mesmas que o ex-presidente Lula teria no caso de repasses do Banco do Brasil".

Ao julgar a ação penal 470, apelidada de mensalão, a maioria dos ministros do STF concluiu que houve desvio de dinheiro público em operações com a DNA de Marcos Valério que ultrapassam R$ 73 milhões, por meio do fundo Visanet, controlado pelo Banco do Brasil. O deputado tucano ressalta que, em sua opinião, Lula - que ficou de fora da denúncia do mensalão - não poderia ser acusado no processo.

 

 

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
AzeredoPSDBmensalão mineiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.