Azeredo nega desvio de recursos na campanha

Senador afirma que sempre ?honrou? PSDB e não vê motivos para deixar o partido por causa da denúncia

Rosa Costa, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

23 de novembro de 2007 | 00h00

O senador Eduardo Azeredo (MG) afirmou ontem que o fato de ter sido alvo de denúncia do procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, não é motivo para deixar o PSDB. "Não há motivo para isto, sempre honrei o PSDB e vou continuar praticando uma boa política", afirmou. Azeredo evitou transferir para os assessores da sua campanha à reeleição, em 1998, entre eles o ministro demissionário das Relações Institucionais, Walfrido Mares Guia, a responsabilidade pelo mensalão mineiro, apesar de reconhecer que "a campanha é muito ampla". "Mas você tem de confiar nas pessoas e eu sempre confiei." O senador também divulgou nota negando ter havido desvio de recursos na sua campanha. Segundo ele, não existiu mensalão em Minas Gerais. "Servirá de oportunidade para que seja definitivamente comprovada minha correção", disse sobre o pedido de indiciamento do Ministério Público Federal. "E para que sejam encerrados a injustiça e o embuste político dos quais tenho sido vítima há mais de dois anos. Confio agora no trabalho isento do Supremo Tribunal Federal."O senador afirmou que sua campanha foi feita pela empresa Duda Mendonça. "A SMPB (do operador financeiro do esquema, Marcos Valério) não foi por mim contratada. A agência produziu parte do material de campanha, já que o então candidato a vice-governador (Clésio Andrade) havia sido sócio da empresa." Também lamentou que o relatório da Polícia Federal, oferecendo respaldo para a denúncia, "tenha se baseado em falsa documentação". "Trata-se de um engodo politicamente manipulado por meus adversários políticos. Tal documentação foi fabricada por um lobista que responde a diversos processos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.