Azeredo não comparece nem é citado em ato do PSDB

Principal acusado de comandar o mensalão mineiro, o ex-governador Eduardo Azeredo (PSDB) foi uma importante ausência no ato tucano "Federação Já", que se transformou em festa pela candidatura de Aécio Neves, em Poços de Caldas, nesta segunda-feira, 18.

JOSÉ MARIA TOMAZELA E GUSTAVO PORTO, Agência Estado

18 de novembro de 2013 | 18h17

O processo investiga desvio de recursos públicos para a reeleição do tucano Azeredo em 1998. Os petistas denunciam a morosidade na apuração e no julgamento dos envolvidos.

O nome do ex-governador acusado de envolvimento no esquema não foi citado durante os vários discursos das lideranças tucanas. O presidente do PSDB, Aécio Neves, evitou falar sobre o mensalão mineiro e sobre a ausência de Azeredo. Ao ser perguntado, disse apenas que a lei vale para todos. O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, também evitou se aprofundar sobre possíveis implicações da prisão dos mensaleiros no julgamento do esquema em Minas Gerais. "Não é questão político-partidária, é institucional", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
psdbpoços de caldasazeredo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.