Avolumam-se as críticas à greve dos juízes

A decisão dos juízes de fazer greve de sete dias, a partir de 5 de agosto, contra a proposta de reforma da Previdência, vem provocando diversas reações de repúdio. Presidentes e vice-presidentes dos tribunais superiores não têm poupado críticas à greve. ?Ficar brigando na base da farinha pouca meu pirão primeiro não leva a nada, só ao descrédito?, disse, por exemplo, o vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Edson Vidigal. A greve é "desnecessária, imatura e uma agressão à sociedade", disse o presidente em exercício da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Roberto Antonio Busato. A conseqüência de uma eventual greve será "um grande prejuízo à sociedade, principalmente às partes, e causa uma impressão muito ruim junto à população", alertou o vice-presidente e presidente em exercício do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro Vantuil Abdala. Veja as principais reações contra a greve: Justiça diverge sobre quem deve julgar greve dos juízesVice do TST pede para juízes desistirem da greveProcurador-geral critica a greve e defende o diálogo A Ordem dos advogados critica a greve dos juízesGreve de juízes pode levar ao encerramento das negociações, diz líder do governo Nelson PellegrinoPresidente do STF pede que juízes não façam greve Presidente do STJ diz ser contra a greve mas não censura os juízes Juízes não têm direito à greve, diz vice-presidente do STJ Em nenhum setor há necessidade de greve, diz o líder do governo Aldo RebeloSegundo o Supremo, juízes não podem fazer greve

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.