Avião da FAB depende de autorização do Suriname para decolar

Hércules que irá buscar brasileiros feridos está em Brasília aguardando posição do governo surinamês

Rosana de Cassia, de O Estado de S. Paulo,

30 de dezembro de 2009 | 11h02

O avião Hércules da FAB que vai buscar brasileiros feridos no Suriname ainda não decolou da base aérea de Brasília. Depende de autorização do governo surinamês para sobrevoar o país. A informação é do Comando da Aeronáutica. O avião saiu na terça-feira à noite do Rio de Janeiro, pernoitou em Brasília, e levará 11 pessoas, além da tripulação: dois médicos, dois enfermeiros e um representante da Secretaria Especial de Atenção a Mulher, do Itamaraty e do Gabinete de Segurança Institucional.

 

Veja também:

link Perfil: Suriname, colonizado pela Holanda e de maioria hinduísta

link Embaixada pede cuidado com áreas de risco no Suriname

link Embaixador confirma estupro de brasileiras

 

Segundo o Ministério das Relações Exteriores, dos 25 brasileiros feridos no ataque de quilombolas surinameses, na semana passada, na cidade de Albina, 20 já receberam alta. Cinco permanecem internados e deverão ser levados para Belém, nesta quarta-feira, 30, no voo da FAB. Outros 17 brasileiros manifestaram interesse de voltar ao Brasil e retornarão no mesmo voo.

 

Em nota de terça-feira, o Ministério reafirmou que não há notícias de brasileiros mortos no conflito, porque como trabalham em garimpos no interior do Suriname e da Guiana Francesa, costumam passar semanas na floresta, incomunicáveis. "Por esse motivo, é necessário aguardar antes de considerar "desaparecido" qualquer desses cidadãos", afirma a nota do Ministério. O ataque de quilombolas ocorreu na última quinta-feira, 24, véspera de Natal, depois que um brasileiro matou um dos quilombolas

Tudo o que sabemos sobre:
surinameFAB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.