Avaliação positiva de Lula alcança 69,3% em abril, diz pesquisa

Resultado deve-se à melhoria da renda, propiciada pelo crescimento econômico, diz diretor do Instituto Sensus

Adriana Fernandes, da Agência Estado,

28 de abril de 2008 | 11h08

A aprovação do desempenho pessoal do presidente Luiz Inácio Lula da Silva subiu de 66,8% em fevereiro para 69,3% em abril, segundo a 92ª pesquisa CNT/Sensus , divulgada nesta segunda-feira, 28. A desaprovação para o desempenho de Lula caiu de 28,6% para 26,1% em abril. Esse resultado é o melhor desde janeiro de 2004, ficando atrás somente dos índices de popularidade do primeiro ano de governo.   Veja também:   Gráfico com o histórico da avalição do presidente  Maioria aprova terceiro mandato para Lula, aponta CNT/Sensus ESPECIAL:Terceiro mandato  Sem Lula, Serra lidera a corrida presidencial por 2010   O governo do presidente Lula também está em alta e alcançou em abril a maior avaliação positiva desde o início do primeiro mandato em janeiro de 2003. A avaliação positiva (ótima/bom) do governo Lula saltou de 52,7%, em fevereiro, para 57,5% em abril. A avaliação negativa (ruim/péssima), por outro lado, caiu de 13,7% para 11,3%. A avaliação regular caiu de 32,5% para 29,6%, na mesma base comparativa. Trata-se do melhor resultado para o governo Lula. O melhor nível era de janeiro de 2003, logo após a sua posse para o primeiro mandato. Naquele momento, o governo do presidente Lula tinha uma avaliação de 56,6%.   O diretor do Instituto Sensus, Ricardo Guedes, atribuiu o aumento da popularidade do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a alta da avaliação positiva do seu governo ao processo de crescimento econômico. Segundo ele, o fator-chave a favor de Lula e da sua administração, na pesquisa, foi a melhoria da renda mensal do trabalhador, propiciada pelo crescimento da economia.   Para 37,8% dos entrevistas na pesquisa CNT/Sensus de abril, a renda mensal aumentou. Na sondagem anterior, realizada em fevereiro, o porcentual dos que consideraram ter havido aumento da renda foi de 29,5%, o que significa que, em dois meses, houve um salto de 8,3 pontos porcentuais na avaliação para mais.   Ricardo Guedes disse que o aumento e a consolidação da popularidade do presidente foram favorecidos também pela criação de empregos no País e pelos resultados de programas sociais como o Bolsa-Família. O presidente da Confederação Nacional do Transporte (CNT), Clésio Andrade, disse que a sigla "PAC" (Programa de Aceleração do Crescimento) e a movimentação política do presidente Lula pelo País inaugurando obras transmitiram uma "sensação" de eficiência do governo. Andrade enfatizou, no entanto, que isso é "apenas uma sensação, porque o Brasil ainda precisa de muito mais investimentos em infra-estrutura."   Para o presidente da CNT, os investimentos no PAC são "insuficientes". Ele destacou que o marketing em torno do programa tem sido muito bem trabalhado. "O governo investe pouco, mas capitaliza bem", afirmou Clésio Andrade. Disse ainda que "o discurso fácil do presidente também ajuda."

Tudo o que sabemos sobre:
LulapopularidadeCNT Sensus

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.