Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Avaliação positiva do governo Bolsonaro cai para 35% em dezembro, diz pesquisa

Levantamento foi realizado pelo Ibope a pedido da Confederação Nacional da Indústria

Camila Turtelli e Sandra Manfrini, O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2020 | 14h21
Atualizado 16 de dezembro de 2020 | 21h49

BRASÍLIA – Pesquisa Ibope realizada a pedido da Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostra que a avaliação positiva do governo Jair Bolsonaro caiu cinco pontos porcentuais em dezembro, na comparação com setembro, mês do último levantamento. Bolsonaro tem agora 35% de “ótimo ou bom”, ante 40% registrado em setembro.

​A avaliação negativa, ou seja, aqueles que classificam a administração federal como “ruim ou péssima” subiu de 29% para 33% em três meses. Entre uma pesquisa e outra, os casos de covid-19 no País voltaram a crescer e, desde o início da pandemia, a doença já matou 182.854 pessoas, segundo o balanço mais recente do consórcio formado por Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL em parceria com 27 secretarias estaduais de Saúde.

Nesse período, o governo se envolveu em polêmicas sobre o desenvolvimento de vacinas contra a doença e ainda não apresentou um plano, com calendário definido, para imunizar a população.

O Ibope também perguntou aos entrevistados se aprovam ou desaprovam a maneira do presidente administrar o País. Nesse quesito, a aprovação pessoal de Bolsonaro caiu de 50% para 46%. Foram consultadas 2 mil pessoas em 126 municípios, no período de 5 a 8 de dezembro. A margem de erro é de dois pontos porcentuais para mais ou para menos.

A desaprovação subiu, também no limite da margem de erro, de 45% para 49%. A confiança no presidente praticamente não mudou. O percentual dos brasileiros que confiam em Bolsonaro oscilou para baixo (ou seja, dentro da margem de erro) de 46% para 44%, enquanto o porcentual dos que não confiam no presidente oscilou de maneira inversa, passando de 51% para 53%.

Aprovação do governo na área ambiental varia de 37% para 36%

As avaliações da população com relação às áreas de atuação do governo federal tiveram uma piora em dezembro, segundo a pesquisa. A queda segue a tendência registrada na avaliação geral da população com relação ao governo do presidente Jair Bolsonaro.

A pesquisa revela que o índice de pessoas que reprovam o governo na gestão do meio ambiente subiu para 59% ante 57% registrado em setembro. A aprovação da atuação do governo Bolsonaro na área de meio ambiente variou de 37% para 36%. Em dezembro de 2019, a aprovação do governo nessa área chegou a 40%. Nos últimos meses, com o avanço das queimadas na Amazônia e no Pantanal, o Brasil virou alvo de críticas e pressão por parte dos investidores estrangeiros, ruralistas e ambientalistas por respostas contra a destruição das florestas.

Das nove áreas pesquisadas, quatro registraram queda no porcentual de avaliação, entre setembro e dezembro, acima da margem de erro da pesquisa de dois pontos porcentuais para cima e para baixo: segurança pública, saúde, taxa de juros e combate à inflação.

Com relação à área de combate à fome e à pobreza, houve queda também na avaliação sobre a atuação do governo, mas no limite da margem de erro, ou seja, de quatro pontos porcentuais. A aprovação da população sobre a gestão do governo no combate à fome e à pobreza ficou em 44%, enquanto outros 53% desaprovam a atuação do Executivo federal.

Segurança pública tem aprovação de 44% da população, segundo a pesquisa, uma queda de 7 pontos porcentuais em relação a setembro. A parcela dos que desaprovam a atuação do governo federal nessa área chegou a 53%. Em setembro, essa era a única área aprovada por mais da metade da população. Mas, ainda assim, destaca a pesquisa, a segurança pública continua sendo a área melhor avaliada, empatada com combate à fome e à pobreza.

A atuação do governo no combate à inflação caiu da quinta para a sétima posição no ranking das mais bem avaliadas, com 33% de aprovação. Nas últimas colocações continuam impostos e taxas de juros, cada área com 70% de desaprovação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.