Avaliação negativa do governo cai 9 pontos, diz CNI/Ibope

A pesquisa CNI/Ibope mostrou que após o período mais agudo da crise energética, quando o índice de avaliação positiva do presidente Fernando Henrique Cardoso caiu sete pontos percentuais em três meses, a avaliação negativa caiu nove pontos percentuais de junho para setembro, de 45% para 36%. A avaliação positiva cresceu três pontos percentuais no período, de 19% para 22%. E a avaliação regular cresceu oito pontos percentuais, de 33% para 41%. Segundo o consultor de pesquisas da CNI, Ney Figueiredo, a ameaça de turbulência no mundo faz com que o eleitor se apegue ao que lhe dá segurança e que o fato de o brasileiro estar satisfeito com a vida faz com que ele não deseje virar a mesa. A avaliação positiva do governo é melhor nos pequenos municípios e regiões de periferia das grandes cidades, entre os entrevistados com menos escolaridade e menor renda.Energia A pesquisa mostra que 36% dos brasileiros consideraram o desempenho do governo Fernando Henrique Cardoso frente à crise energética ótimo ou bom. Para 27%, no entanto, o desempenhofoi regular e 32% ruim ou péssimo, mostrando que as opiniões ficaram divididas. Otimismo A pesquisa CNI/Ibope, realizada entre os dias 13 e 17 de setembro, com 2.000 entrevistados em todo o País, mostrou que os atentados de 11 de setembro dos Estados Unidos não afetaram o otimismo dos brasileiros em relação ao restante de 2001. De acordo com a pesquisa, 67% dos entrevistados consideram que 2001 será um ano bom ou muito bom. E 31% esperam que será um ano ruim ou muito ruim. Na pesquisa anterior, feita em junho, os dois índices foram de 64% e 33%, respectivamente. Segundo a pesquisa, a satisfação dos brasileiros com a vida oscilou de 72% em junho para 75% em setembro, um pouco acima da margem de erro da pesquisa, que é de 2,2 pontos percentuais. Entre os motivos apontados pelos entrevistados que se dizem satisfeitos com a vida, o que mais se destaca é a "boa vida afetiva familiar", com 46% das respostas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.