Autorizado a ficar em silêncio, Dantas chega para depor na CPI

Na terça, STF autorizou o banqueiro a ficar calado durante depoimento na comissão dos grampos telefônicos

Cida Fontes, de O Estado de S. Paulo,

13 de agosto de 2008 | 14h31

O banqueiro Daniel Dantas chegou para depor na CPI dos Grampos por volta das 14h30 desta quarta-feira, 13. Dantas está protegido por uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), segundo a qual o banqueiro tem o direito de ficar calado durante a sessão, não pode ser preso e terá acesso aos documentos da Comissão. A liminar do STF foi concedida na noite da última terça. Durante o depoimento, Dantas deverá ser questionado sobre as suspeitas de grampos telefônicos em empresas de telefonia e sobre os assuntos investigados pela Operação Satiagraha, que identificou uma suposta rede criminosa comandada pelo banqueiro.  Veja Também:Entenda como funcionava o esquema criminoso As prisões de Daniel DantasMinistro do STF manda soltar Braz, braço direito de DantasJuiz do caso Dantas nega ter autorizado grampo no STF Dantas foi preso duas vezes pela Polícia Federal no mês passado, ambas por causa do inquérito da Satiagraha. Ele conseguiu a liberdade graças a liminares concedidas pelo presidente do STF, Gilmar Mendes. As decisões geraram críticas de vários setores do Ministério Público, um embate com o juiz da 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo, Fausto Martins De Sanctis, que determinou as duas prisões, e um bate-boca com o ministro da Justiça, Tarso Genro.  Escutas confirmadas Na semana passada, o delegado da Polícia Federal Élzio Vicente da Silva confirmou à CPI que a Kroll fazia escutas contra a Telecom Itália. Silva comandou a Operação Chacal. Também em depoimento na CPI na semana passada, o delegado Protógenes Queiroz, ex-coordenador da Operação Satiagraha, confirmou que o grupo de Daniel Dantas está sendo investigado pela prática de escuta telefônica ilegal, além de crimes financeiros, lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta, evasão de divisas e formação de quadrilha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.