Autorizada quebra de sigilo fiscal de Wilma de Faria

O ministro Cesar Asfor Rocha, do Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou a quebra dos sigilos fiscal, bancário e telefônico da governadora Wilma de Faria (PSB), do Rio Grande do Norte. A informação foi divulgada hoje pela assessoria do Tribunal. A governadora está sendo investigada pelo Ministério Público Federal pela suposta prática de crimes contra a ordem tributária, evasão de divisas e lavagem de dinheiro.Rocha também determinou a quebra do sigilo bancário e telefônico de Alexandre Magero Araújo, Herbert e Hericson Spencer Batista e das empresas Anacor Agência de Viagens Ltda. e Norte Câmbio Turismo. Também será quebrado o sigilo telefônico de Manoel Eleutério e Cal Muinho. Todos são citados no inquérito penal aberto pelo Ministério Público contra a governadora.No pedido encaminhado ao STJ para obter a quebra dos sigilos, segundo a assessoria do Tribunal, o Ministério Público afirma haver indícios de práticas criminosas e informa estar de posse de documentos, inclusive cópia de uma conta em um banco da Suíça em nome de Wilma Faria, com depósitos de US$ 500 mil. O esquema do qual a governadora supostamente seria beneficiária vem sendo investigado por procuradores da Paraíba e envolve ainda parlamentares, governadores e prefeitos de vários partidos, informou a assessoria do STJ. As denúncias foram feitas pelo doleiro Alexandre Magero, ex-funcionário da Anacor. Ele disse que recebia recursos obtidos com a venda superfaturada de títulos públicos, na época em que Wilma ainda era prefeita de Natal, e os trocava por dólares, que eram depois remetidos para o exterior. Os títulos eram oficialmente emitidos para pagar precatórios.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.